Publicidade

Publicidade

06/01/2010 - 16:18

“Perdi a virgindade com o meu namorado, mas não gostei…”

Compartilhe: Twitter

56528798

Tá aí uma das coisas mais comuns do mundo: meninas que não gostam do sexo de primeira. Depois de esperar tanto tempo, de tentar encontrar o garoto certo, de criar todo um clima para o momento, uma grande decepção. É comum, é comum. Na verdade, existem várias meninas que não gostam do sexo na primeira vez. Existem algumas explicações, sim, para isto.

Primeiro lugar: todo mundo que já passou da quarta série sabe que existe, na vagina, o hímem, que é aquela espécie de pele que é quebrada após a primeira relação sexual. Por isto, na primeira vez, o sexo pode doer e incomodar bastante, além do comum e até sangrar. A primeira vez de uma garota é rodeada de possíveis traumas, que podem acabar comprometendo por um bom tempo o desempenho e a vontade sexual da menina. Se o garoto não for compreensível e ir com ‘muita sede ao pote’, pode acabar machucando a menina de uma forma que aumente em 10 vezes a dor que é normal sentir na relação sexual. Por isto, antes de qualquer decisão, é preciso conversar bastante com o menino e pedir para ele ir devagar. É fácil. Se for devagar, depois tem mais. Se for com pressa, demora mais tempo para ter de novo, né?

Outro motivo para o sexo ser ruim na primeira vez é a tensão. Ainda existe, para várias meninas, aquele tabu da primeira vez – que é correto, pelo menos para mim. As garotas costumam se resguardar mais do que os homens quando o assunto é sexo e, por isso, acabam ficando bastante tensas na primeira vez. Com essa tensão, é comum que o ato sexual doa, porque o seu corpo inteiro fica mais travado, impedido de relaxar e aceitar mais o momento. Aí, além de dor, ainda vem todo um incômodo que passa pela cabeça da menina. “Será que tá certo?”, “será que ele está gostando?”, “e se eu mudar de lado?”. Meninas, na primeira vez, o mais legal a se fazer é tentar aproveitar ao máximo o momento. Peça um pouco de delicadeza ao menino e, caso você sinta muita dor, pare. Tente de novo outro dia. Deixe para mais tarde.

Se a sua primeira vez for muito ruim, muitas meninas afirmam que a segunda é melhor. O que não vale é acabar acreditando que vai ser sempre igual e, por isso, evitar fazer. Sexo é gostoso, é claro, e muitas meninas – e até meninos – têm uma primeira relação que é traumática. Basta saber resolver isto, aos poucos, de acordo com o tempo, não é?

E você? Como foi a sua primeira vez? Conte para nós nos comentários e ajude quem precisa de conselhos 😀

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, sexo Tags: , , , ,
15/12/2009 - 17:47

Depois da primeira vez, existe hora para fazer sexo?

Compartilhe: Twitter

AA037038

Uma leitora mandou um email com uma duvida que achei bastante interessante. Na verdade, provavelmente muitas garotas devem se perguntar a mesma coisa. Questão é: depois da primeira vez, do primeiro namorado, você tem que esperar um tempo para fazer sexo com um novo garoto?

As meninas, como eu já bem disse aqui há muito tempo, curtem esperar a hora certa para o sexo. Varia, é clara, de pessoa para pessoa. Algumas esperam o garoto ideal, outras a idade certa e poucas o casamento. Depois da primeira vez, no entanto, muitas desencanam e, pouco tempo depois de conhecer o garoto, já vão logo para o vamos ver.

A duvida da leitora é simples: quanto tempo devo esperar? Na real, como tudo na sua vida, isso vai de você. Você deve esperar o tempo que achar necessário. O sexo, acredito eu, rola devido a vontade de cada um. É assim: do mesmo jeito que você escolhe o primeiro, deve escolher o segundo, o terceiro, o quarto. Tudo depende dos valores de cada garota. Conheço gente que não se importa tanto para as questões que envolvem o sexo e gostam de ir para a cama logo de cara, assim que conhecem a outra pessoa. Em contraponto, conheço algumas meninas que esperaram anos para isto. E mesmo depois de ter feito a primeira vez, esperaram mais um belo tempo para a segunda.

Sexo é pessoal, relativo e, é claro, só você deve saber o que é melhor. Nunca vá na conversa dos outros (principalmente na dos meninos) para não se arrepender depois =)

E você, o que acha? Tem que esperar para o sexo depois da primeira vez?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags:
08/12/2009 - 17:02

Vivendo um namoro que não existe mais

Compartilhe: Twitter

200225264-001

Chegou, semana passada, um dos emails mais complicados que eu já recebi na vida. Ela, 16 anos, apaixonada por um garoto que conhecia há um mês. Viveram um tempo tão bom de companheirismo, carinho e compreensão que a vida a dois se tornou a melhor coisa do mundo. Os amigos invejavam, é claro. Um dia, assim, do nada, ele terminou. Terminou daquela forma que um bom menino adora terminar uma relação: ‘tô no último ano do colégio, preciso estudar‘ ou ‘não quero ficar preso a ninguém‘. Ela, ainda apaixonada, resolveu tentar ficar próxima, para ser amiga, para não ser esquecida. E aí, do nada, ela se pegou na dúvida: ué, estou namorando ou não? Com a aproximação, ele cobrou atitudes, jogou, teve ciúme, pediu fidelidade – mesmo ela não devendo mais nada à ele. Ela vive em uma DR constante.

O problema da relação começou lá em cima, quando os dois se conheceram, viraram amigos e tentaram uma relação. Claro, não é impossível, mas eu acho supercomplicado uma amizade virar namoro. Sabe por quê? Porque eu acredito que quando a gente tem é amigo de alguém, trocamos muitos segredos que nunca trocaríamos com a pessoa que namoramos, por exemplo. Depois disso, a relação ficou ótima. Mas é claro, pô! Provavelmente, vocês continuaram sendo bons amigos, só que com uma pequena tensão sexual no meio da relação, no meio das conversas, das brincadeiras, do compartilhamento de vida. Quem assistiu algum episódio de Dawson’s Creek sabe do que eu estou falando. O seriado é um tanto antigo, mas a história é a mesma. Hoje em dia, temos algo parecido em Gossip Girl, com a Blair e o Chuck. O que quero dizer é: quando você conhece muito o jeito de uma pessoa, sabe as suas manhas e truques, acaba cobrando no namoro.

O menino, claro, deve ter se tocado que a relação de amizade tinha se tornado algo a mais, mas não tãããão a mais. Ele gostava de ser seu amigo, mas não queria ser preso à você como um namorado. Se ele terminou, o que você deveria fazer é ficar longe. Eu sei que a relação ainda é forte e dolorida, primeiramente porque você sempre gostou dele. Deve ter sido paixão à primeira vista, sem sombra de dúvidas, mas você alimentou uma relação de amizade para tentar se enganar, para chegar perto do garoto e compartilhar as situações da vida com ele. No instante em que vocês se beijaram, você já deveria saber que nunca, nunca mesmo, você conseguiria voltar com o que teve um dia. É uma escolha difícil que temos que fazer algumas vezes em nossa vida.

Em momento algum vale a pena você discutir com ele a relação – que já não existe mais. O correto, agora, é tentar se afastar o máximo possível. Sair com gente nova, diferente, tentar conhecer outros lugares para poder, assim, ocupar aquele espaço que era dele na tua vida. Só assim é que você vai começar a deixá-lo ir. De resto, tem que aprender dar tempo ao tempo. E respeitá-lo. Sempre que trocamos os pés pelas mãos, dá besteira.

Alguém já passou por uma situação semelhante, de viver uma relação que não existe mais? Comente aí!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , , , ,
04/11/2009 - 15:44

Tem como manter um relacionamento aberto de forma saudável?

Compartilhe: Twitter

42-17852056

Nestes tempos modernos em que estamos vivendo, é comum achar por aí pessoas que namoram, mas ficam com outras pessoas. São aqueles que chamam sua relação de ‘relacionamento aberto’. Ou seja, você namora alguém, mas pode ficar com quem quiser. Se rolar, pode até compartilhar e interagir. Enfim, as possibilidades vão de um para um milhão.

Primeiro, vamos ver qual é a lógica do relacionamento aberto: você namora alguém, mas é livre para ficar com todo mundo. Dependendo dos limites, pode fazer o que quiser com quem quiser. Daí quando bate a carência, você corre para quem namora. Não entendo muito bem estas coisas, mas acredito que os ‘namorados’ acabam ficando com a parte chata da relação aberta, não? Assim: todas as brigas, as discussões, os mal entendidos… Eles vão rolar sempre com quem? Por outro lado, se você tem a mente aberta o bastante para isto, pode pensar que, caso queira namorar desta forma, é bom ter sempre alguém para correr e abraçar quando sentir vontade, né? É tipo uma forma de se sentir seguro e querido o tempo todo e, ainda assim, alimentar o seu ego pegando geral por aí.

Relacionamento aberto não é só curtição, não. Para você se enfiar em um, tem que gostar muito da pessoa e ter muito – muito mesmo – pouco cíume. Além disto, nunca pode brigar com o seu companheiro por causa de meninas. Afinal, vocês que decidiram tomar esta vida, né? Muitas pessoas dizem que abrir a relação em um certo momento da vida à dois é bom para revigorar, para limpar a alma e dar a certeza ao outro de que é você mesmo que ele quer. Motivos existem de montes.

Tem gente que consegue viver numa boa com uma relação assim. Ah, tem também aquelas pessoas que gostam de dar mais liberdade à relação quando o assunto é sexo. Quantas vezes não vemos gente que namora e, vez ou outra, chama alguém para participar das noites calientes? É a mesma coisa: se você está afim de dar uma animada e diferenciada no seu namoro, é superválido interagir. Claro, é preciso muita conversa, muita compreensão e, acima de tudo, combinar tudinho antes de qualquer tentativa para não rolar nenhuma briga. A sensação, depois que acontecer, pode ser um pouco estranha. Você pode se sentir traído, pode pensar que seu parceiro vai te deixar para sempre… Mas talvez ele goste mais ainda de você.

Esse lance de relação é muito particular. Tem gente que não encana muito, tem gente que não deixa o namorado nem olhar para o lado. Uns são felizes, outros não. É de vocês dois. Se quiserem, se os dois tiverem vontade, tentem. Só não vale ficar fazendo joguinho do tipo ‘se você quer, eu topo’. Os dois têm que querer. Caso contrário, não deve rolar! Não faça nada por obrigação, mas sim por vontade.

E você, conseguiria ter um relacionamento aberto? Comente aí!

Autor: - Categoria(s): Posts antigos Tags: , , , ,
19/08/2009 - 15:26

Dá para namorar um menino que só te quer para sexo?

Compartilhe: Twitter

Uma das dúvidas mais recorrentes que chegam ao meu e-mail é aquela velha questão de ‘como saber se ele não quer nada sério comigo?’. Umas encontram caras na baladas que são perfeitos príncipes, mas que não ligam no dia seguinte. Outras ficam com amigos da escola que, no outro dia, fingem que nada aconteceu. E outras fazem sexo de primeira, achando que vai conseguir prender o homem com isso e, depois, ele some. É aquilo lá: existem vários tipos de homens, vários tipos de situações e vários tipos de intenções.

Como reconhecer um garoto que só quer sexo? Bom, qualquer garoto só quer sexo. É meio óbvio, não é? Comece colocando isso em sua cabeça e você será bem mais feliz com a sua vida amorosa. E sexual. Atualmente, o sexo já passou por vários tabus e não é mais algo que é encarado com tanto preconceito. Todo mundo faz. Ora com seus namorados, ora com transeuntes. É assim, parece que banalizou geral.

Portanto, não é difícil reconhecer um garoto que queira sexo. Acredito que, hoje em dia, as mulheres precisam começar a se dar um pouco mais de valor. É importante vocês saberem se impor para mostrar que não são objetos, como acontece muito por aí. E tem toda aquela problemática também: porque os garotos podem ser pessoas de uma noite só e as garotas, se fazem isso, são rotuladas até a alma? Então, pense bem antes de qualquer coisa.

Depois de todo esse discurso blá blá blá, vamos lá. Existem, sim, algumas formas de perceber se o cara só quer sexo. Existem aquelas pessoas que se dão muito bem com isso, aqueles que têm os tal dos “Fuck buddy“, amigos que fazem sexo sem compromisso algum. Olha só, se você ficar com alguém e perceber que o garoto não quer você para uma relação, mas sempre que precisa de sexo, te liga… Bom, não precisa dizer muitas coisas, né?

Tem gente que, por incrível que pareça, acredita que esse tipo de relação é um namoro. Um namoro saudável. Sabe quando não rola amor, não rola carinhos, não rola abraços, mas rola sempre sexo, todas as vezes que vocês se vêem? Então. Isso é uma relação só de sexo.

Vale lembrar que quando o sexo é o que há de mais forte na relação, alguma coisa não vai bem. É a hora de você rever os seus conceitos e vontades.

E você, já fez parte de alguma relação que, quando você percebeu, era só sexo? Comente!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, sexo Tags: , ,
27/01/2009 - 09:57

O teatro e as mentiras sexuais

Compartilhe: Twitter

Guardem o link deste post, um dia, acredito eu, ele vai virar uma enciclopédia masculina sobre o sexo. Vai ser aquele tipo de texto Bombril, que fala de tudo um pouco. E a gente começa por…

Por que eles dizem que já fizeram sexo com a escola inteira se nunca vi ele pegar ninguém?

O sexo é aquele tipo de coisa que divide a nossa sociedade em dois extremos: o homem, que anseia pela primeira vez e vai correndo quando surge a chance, e a mulher, que sonha com um conto de fadas e se guarda pelo máximo de tempo que consegue. Aí vem o problema. As meninas não mentem sobre sua virgindade. Já os garotos… Existe toda uma pressão da galera em relação ao menino. Quanto mais tarde ele perder a virgindade, mais zoado ele é. Então quer coisa mais fácil do que mentir? O menino inventa que já pegou aquela moça argentina que veio ao Brasil e ficou encarando ele na balada e a coisa rolou ali mesmo, no banheiro, com todo mundo vendo. Sem contar aquela loira de 43 anos que se apaixonou por ele, um guri de 15.

A história é sempre essa. É difícil achar, hoje em dia, algum menino que não tenha medo de esconder a sua virgindade. Para as meninas, isso é bem ruim. Isso porque elas nunca sabem, na real, o que o garoto espera. Daí vem a primeira vez dela com um garoto, o bambambam, o experiente. Chega na hora H e rola aquele vexame. O menino não sabe o que faz, a menina espera ser conduzida… Xiii.

Ele me dá prazer, mas eu não chego lá e faço um teatrinho básico. Vale?

É de conhecimento de todo mundo que as mulheres mentem, muitas vezes, o que estão sentindo na hora H. A história é conhecida por todos, muitas meninas simulam o orgasmo como uma tática de encenar de que o sexo foi perfeito. Desta vez, são os meninos que sofrem, por não saberem quando elas estão dizendo a verdade ou não. O que acontece? O menino se preocupa tanto em tentar fazer a moça chegar no ponto G que, na hora, ele se esquece dos detalhes e acaba indo direto ao pote. Isso quando consegue fazer alguma coisa, né? Muitas vezes, a pressão atrapalha tanto…

Como perceber? Não há uma fórmula exata, afinal, as mulheres são ótimas atrizes. Mas há algumas dicas: os sons, as caras, os tremores, a intensidade… Tudo isso fica diferente no fingimento e no real.

Ele não conseguiu…

Broxar. Eita palavrinha que bota medo. Todo menino já passou isso uma vez na vida. De experiência, isso acontece quando está rolando alguma coisa por trás da vida do garoto. Exemplo? Um problema com a família, uma desconfiança, falta de dinheiro… Os meninos broxam sim, não existe idade para isso. E o problema é todo nosso? Talvez sim, talvez não. Se for a primeira vez entre vocês dois, como se fosse um sexo casual, e o menino broxar, talvez você o tenha assustado em algo. Um beijo que não combinou, um movimento que ele não gostou, muitas coisas são motivos para deixar o menininho pra baixo.

E aí, tem mais alguma coisa que queira perguntar? Mande nos comentários, entra na comunidade do Orkut e poste algo lá!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, sexo, Situações Tags: , , , ,
10/12/2008 - 13:05

A deliciosa sensação de receber um não. Na hora do sexo!

Compartilhe: Twitter


Foto de Nara Osga/ SXC

Existe coisa mais chata e desconfortável do que receber um chega prá lá na hora que você está pegando fogo na cama? Sério, pensa como é triste isso. Você ficou, vá lá, uma semana toda longe do seu namorado e, no final de semana, chega louca de saudades. Além de fazer as coisinhas de sempre, como abraços, beijos, jantinhas e carinhos, você, na real, não vê a hora de acabar trancada com ele no quarto para se divertir um pouco e matar a saudade da melhor forma possível: fazendo sexo. E eis que… Ele liga a televisão.

Sabe aquela música de episódio de desenho animado que toca quando algo dá errado? Parece que, neste instante, ela passa pela sua cabeça. Não existe, no mundo, algo mais deprimente e enlouquecedor do que você ser deixada de lado quando quer algo a mais. A sensação que vem é de medo – por ele não gostar mais de você, de medo número 2 – por ele estar saindo e se satisfazendo com alguém – e vergonha – por que você comprou aquela lingerie rosa cheia de badulaque que te incomodou a noite inteira e ela não serviu de nada. Pior: parece que quando estas coisas acontecem, o garoto fica tão desligado que não dá a mínima para você. Daí não tem jeito, a noite já se estragou e você vai ter que recorrer a algum programa legal de televisão (se ele não controlar o controle remoto, é claro). Existe alguma coisa para se fazer? Como driblar o tesão?

Aninha, uma leitora do iBoy, mandou um e-mail perguntando todas estas coisas juntas e desesperada, pois ela pode ver o namorado uma vez a cada duas semanas e, por incrível que pareça, bem nestes dias, ele está desanimado. Ana disse que confia muito no seu garoto, mas não sabe o que acontece com ele e ela queria saber se existe alguma forma de dar um drible na vontade de fazer sexo quando ele não rola na hora esperada. Olha, Ana, vou dizer que é complicado…

Primeiro, a sensação de levar um “não” na cama é uma das piores possíveis, realmente. Logo que isso acontecer, você deve tentar entender – e é complicado – que o seu garoto pode ter tido uma semana difícil, estar cheio de problemas e coisas que estão deixando-o triste. Depois de pensar nisso tudo, o que resta a fazer é aproveitar o momento para ser fofa com ele. Converse um pouco sobre os acontecimentos da semana, discutam, façam fofocas. O mais legal é conseguir dar a volta por cima na situação chata que se cria depois do “não”.

“Tá, Caio, você disse isso tudo e eu já estou cansada de tentar. Isso porque ele nunca quer nada comigo, mas daí, no meio da semana, ele liga morto de tesão dizendo que quer fazer sexo. Eu, que não posso, faço o que?”

É típica esta situação. O garoto te ignora hoje e, no dia seguinte, parece que está com o maior fogo do mundo. É natural a gente começar a achar que a gente perdeu a graça ou estamos sofrendo algum tipo de problema. Nesses casos, ser sincero na relação é fundamental. Através de uma boa conversa, vocês podem conseguir se entender e o garoto pode se abrir a você e contar o que está rolando com ele.

E você, já passou por alguma situação parecida na hora H?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, sexo Tags: , ,
08/10/2008 - 09:04

Um dia, alguém tem que ceder

Compartilhe: Twitter

É grande e antigo o preconceito com as garotas que liberam geral logo na primeira noite do encontro. Enquanto os meninos saem à caça livremente – sem data e hora para chegar no “finalmente”, as meninas têm de se manter firme e forte quando o assunto é sexo. Olha só que paradoxo em que a gente se meteu. Gostamos de sair à noite para caçar e esperamos que a caça seja capturada com facilidade, porém, se conseguimos o que queríamos, a caça perde o seu total valor. No mundo animal, a coisa é diferente. Mas como a gente não é bicho, temos de ser complexos.

Seria quase que uma revolução se todas as mulheres do mundo se reunissem em um movimento que seria contra o sexo na primeira noite. Se houvesse uma lei para isso, os homens iam endoidecer, mas daí, finalmente, aprenderíamos a dar o valor correto a elas. A real é que a gente não sabe o que quer. “Se ela se entrega toda logo de cara, não pode namorar, não. Imagina quantos outros caras já fizeram isso e como ela vai continuar fazendo enquanto estiver comigo”, afirma Rafael. Então ainda somos machistas demais. Homem pode, mulher não pode. Ninguém deveria namorar os meninos e as meninas deveriam se tornar lésbicas! Tá, brincadeira.

Nesta situação, eu não consigo nem dar um conselho para as garotas pois quem é de fato complicado somos nós. Bom, em primeiro lugar, a gente (homens e mulheres) deveria mudar um pouco de atitude e visão. Mas como isso não passa de ideais e o mundo está longe de ser perfeito, acho que cada um deve fazer o que der na telha e começar a prestar mais atenção em si, não nos outros. Se a menina está com vontade, ela tem todo o direito de sair às ruas para achar um menino e fazer o que quiser. Se os homens estão a fim, também. Só não vale depois ficar julgando que tal garota é X. Ninguém tem este direito…

Para as meninas, não se preocupem. Todo mundo, um dia, arranja a sua cara metade. E o melhor é que você pode testar quantas quiser antes… Por fim, você acaba encontrando-a em várias situações. E elas podem ser durante o sexo mais incrível da sua vida ou enquanto você trabalha, do outro lado da bancada colorida, sem ao menos perceber que ali está o grande amor da sua vida.

Autor: - Categoria(s): sexo Tags: , , ,
19/08/2008 - 12:28

E quando o sexo se torna a prioridade?

Compartilhe: Twitter

“Ele é supeeeer fofo comigo, mas tem vezes que eu gostaria de ir para o cinema, comprar uma pipoca e realmente assistir o filme junto com ele. Ele me chama para a casa dele depois da aula, quando os pais dele não estão em casa, mas nem sempre eu topo, tenho medo da nossa relação se resumir somente a isso e todo o romantismo ficar de lado”.

A frase acima é de uma leitora do blog, que mandou um e-mail ontem de noite – momentos antes de eu decidir o que iria escrever aqui hoje – com uma dúvida que, bem, não é só dela. Sexo é bom, fato. Mas é difícil lidar com o assunto quando estamos na adolescência ou quando acabamos de descobrir o ato. Ontem mesmo eu me peguei pensando como que tudo gira em torno do sexo e como a indústria pornô enriquece. As músicas, as histórias, os programas de televisão, os filmes e até as séries infantis. Hoje em dia, tudo tem que receber uma pitadinha de sexualidade para funcionar. Até aqui, no iBoy, dá pra sentir que o pessoal participa mais quando o assunto é esse. A questão é: o sexo é o que movimenta um relacionamento?

Dia sim, dia não

Não existe um tempo ideal para fazer sexo, nem a quantidade mais bacana ou os dias que se deve praticá-lo. Há dias em que estamos meio jururus e queremos ficar quietinhos, ir ao cinema, jantar juntinhos e ficar só no chamego, com carinhos e beijos. Mas há alguns dias em que acordamos com tudo em cima. O problema do sexo é que, de tão gostoso, vicia. Muita gente peca em um ponto crucial no relacionamento, deixar o sexo ficar acima de todo o resto que é legal fazer a dois. Não é errado, de forma alguma, querer fazer amor todos os dias. Mas eu acho que tem que ter um limite, um bom senso e respeito. Nunca – nunca mesmo – o parceiro deve achar que o namoro é só sexo.

Para quem acha que está sozinha nessa, como a leitora que me mandou o e-mail, saiba que não. Quase todo mundo acaba passando por essa fase em um relacionamento. Tem gente que não vive no mesmo timing, que passa por alguns problemas em certa época da vida e acaba deixando o sexo para depois, como eu já disse aqui. Enquanto isso, o outro pode estar numa fase muito boa e, por isso, acaba deixando de lado as preocupações do parceiro e prioriza o sexo. E o pior: se o outro é sincero e diz que não vai rolar, começa a rolar toda uma paranóia de que o tesão se foi.

E o tesão, foi mesmo?

Não. É o seguinte, pense em antigamente, quando você ainda era virgem e ficava de casinhos com as pessoas do colégio. O sexo era obrigatório? Você não sentia atração pela pessoa mesmo sem ele? Pois bem, o tesão do seu parceiro não foi embora caso ele recuse o sexo. Você continua sendo atraente para ele e ele continua te achando linda – talvez mais do que nunca.

Uma frase que eu lembro até hoje é de uma amiga, que me falou que “existem coisas bem mais legais para se fazer a dois do que sexo o tempo todo”. Eu, que vivo num mundo distante e tenho a cabeça no céu, só percebi que isso é a mais pura verdade quando consegui ver a forma que a pessoa que eu amo me acalma.

Com sexo ou sem, a parte mais gostosa de qualquer relacionamento é deixar a sua vida ser compartilhada e misturada com a de outra pessoa.

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , , ,
Voltar ao topo