Publicidade

Publicidade

06/10/2009 - 13:36

Quero ficar solteira, mas não consigo terminar o meu namoro

Compartilhe: Twitter

dv1708015

“Olá Caio, tudo bem? Olha só, meu nome é Juliana e tenho 18 anos. Namoro há três. O problema surgiu há pouco, quando comecei a perceber que era nova demais para ficar ‘amarrada’, se é que você me entende. Comecei a ficar com preguiça de sair com meu namorado, não queria mais falar com ele, os assuntos dele já não me importavam mais e eu comecei a me deslumbrar com a vida. A vida de amigas, a vida de baladas, a vida de troca de mensagens na internet. Não sei o que fazer, porque gosto muito do meu namorado, mas acho que a nossa relação esfriou e hoje quero procurar gente nova, conversar com outros meninos, me sentir querida, sabe? O problema é: não consigo terminar com ele. Já tentei de tudo. Cavei brigas, inventei situações, fiquei um tempo sem vê-lo. Não consigo. Fizemos muitos planos juntos e nossas vidas estão ligadas, de certa forma. O que eu faço? Será que eu estou errada, será que essa vontade vai passar? Me ajuda?”.

Olha, Juliana, a situação é complicada. Fato: você começou a namorar muito cedo e prolongou esse namoro por um bom tempo. Ou seja, perdeu quase que a sua adolescência inteira vivendo a vida à dois, coisa que só deve acontecer depois de um tempinho, quando você já tem mais idade. Mas não se preocupe, ainda há tempo. Antes de tudo, a questão é: somos todos diferentes. Tem gente que gosta de ficar solteiro e aproveitar a vida, saindo, beijando várias pessoas, se divertindo dessa forma. Para outros, a diversão é a calmaria da vida com uma só companhia (calmaria no sentido de estabilidade). Muitas vezes, quando ainda adolescentes, nos sentimos inseguros e incapazes, por isso acabamos nos prendendo à alguém que gostamos e começamos um namoro. É uma forma de conseguirmos conforto, colo e, consequentemente, segurança.

Mas os anos passam e, com eles, vem a maturidade. É nessa fase que você começa a perceber que se manteve presa demais e, pelas transformações constantes que a sociedade vive, você acaba refletindo sobre o seu estilo de vida, sobre as suas ações e suas vontades. É natural que quando você começa a se sentir ‘velha’, você avalie a sua vida e o resultado dê negativo e surpreendente: parece que você não viveu. Se levar em conta as atitudes de suas amigas, vai parecer que a sua vida travou há anos e que você não curtiu nada. De certa forma, está certo. Mas antes, vale lembrar do que eu disse lá em cima: cada um vive a vida do jeito que gosta.

Contando toda a história que você e o seu namorado têm, eu acho que seria uma bela de uma sacanagem traí-lo nesse estágio. Se você tem vontade de sair e curtir a vida, ficar com outras pessoas, se divertir dessa forma, meu conselho é: termine. Não há solução para isso. A vontade vai falar mais forte do que você e, em pouco tempo, você vai acabar fazendo alguma besteira que vai se arrepender mais ainda depois. Como você disse, Juliana, você gosta desse garoto, então não quer vê-lo sofrer, não é? O término é duro, mas é mais compreensível do que uma traição.

Outra coisa: tente esperar um tempo. Você, com essa idade, ainda está passando por algumas mudanças, alguns conflitos. Não tome nenhuma decisão sem ter certeza, não ‘esfrie’ o seu namoro e nem o jogue fora. Talvez seja uma fase, um tempo difícil que passará. Amanhã você pode acordar com a maior saudade e vontade do seu namorado. Se a tempestade permanecer, aí sim converse e coloque um ponto final na história.

Não digo, com isso, que é proibido namorar na adolescência. Pelo contrário, os nossos namoros ajudam a formar e estabelecer a nossa personalidade, as nossas ideias e vontades. De vez em quando, no entanto, é bom aproveitar o nosso tempo jovem para curtir um pouco a vida, sem criar laços e preocupações. Caso você não faça isso enquanto jovem, no futuro, vai sentir que perdeu um pedaço da vida e vai querer retomar estas situações. Aí é onde encontramos aqueles adultos que nunca crescem…

Sua situação é complicada, Juliana, e muita gente já passou por isso (e passa). Eu passei e não soube resolver, deixei o tempo passar, até perceber que, de fato, sou uma pessoa de namorar, de ficar em casa, de curtir a vida de outro jeito. São formas variadas de atitude, de gostos e de vontades.

Vamos ajudar a Juliana? O que você faria na situação dela? Você já passou por algo parecido? Comente aí!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , , ,
07/04/2009 - 11:26

Os dilemas de um namoro

Compartilhe: Twitter


Para que namorar? Ultimamente, muitas pessoas andam me fazendo esta pergunta. Depois que o “ficar” apareceu, parece que os relacionamentos sérios ficaram um pouco de lado. Eu poderia dizer que isto é culpa da modernidade líquida, que deixou de lado o verdadeiro sentido e razão do amor para, na real, fazer a pessoa achar formas de se afirmar cada vez mais na sociedade de qual faz parte. Ou, sei lá, eu poderia afirmar que todo mundo perdeu a necessidade de compartilhar o mais íntimo da sua vida com outro, já que estamos passando por um momento onde o individual é bem quisto. Mas, do fundo do coração, o que eu sinto vontade de dizer é: para ganhar um beijo mais que especial antes de dormir e sentir o braço de quem se gosta em cima de você a noite toda. Para viver…

Para muitos, namoro é sinal de cobrança. Claro que não vou tirar a razão de ninguém, existem ‘n’ formas de se relacionar. Tem gente que preza pela liberdade, tem gente que adora ficar juntinho. Mas o mais importante de se namorar é aprender a ceder.

Não adianta tentar escapar. A partir do momento em que você se enfia em um namoro, você tem que compartilhar a vida e aprender a entender o outro. É o seguinte: namorar não é só companhia gratuita e disponível 24/7, não. A gente tem que dar muito da gente para poder ficar junto, por mais difícil que isso seja.

Esses dias, duas amigas vieram pedir socorro pois o seu namoro estava indo água abaixo. A reclamação de ambas era que “ele não me dá atenção quando preciso”. Ou seja, o que aconteceu é que, no começo, o garoto ficou todo encantado pela menina. Depois de um tempo, ele simplesmente resolveu tratá-la como uma mera amiga. É aí que muita gente erra.

Namorar é se apaixonar a cada dia. Se você pula um dia, o encanto some. O mito cai. Daí não adianta mais nada. Para todos os meninos do mundo que deixam de tratar a sua namorada como ela merece, um aviso: o mundo está lotado de homens. Assim como está lotado de mulher, é claro. Você não vai ficar sozinho se ela terminar com você. Mas dar valor para o que se tem na mão é interessante. Ligar sempre, mandar flores, responder com carinho, dizer que ‘ama’ nas ocasiões certas e de boca cheia… Isso tudo faz a diferença.

Um namoro não é só a companhia, não é só passeios divertidos, não é momento inesquecíveis juntos. Um namoro pede muito mais, pede compreensão, pede carinho, pede declarações, pede, acima de tudo, que a outra parte mostre todos os dias o quanto o outro é importante para ela, como a vida fica mais sem graça se essa pessoa não existisse.

Quando se ama, um dos maiores prazeres da vida é fazer a outra pessoa sorrir e se sentir bem. Se você perdeu essa vontade com o tempo, deixe de se engabelar e enrolar a garota. Tome uma atitude; seja ela pro bem ou pro mal.

E você, o que acha de namorar?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, Situações Tags: , , ,
02/09/2008 - 11:17

Quanto menos você corre atrás, mais você o tem?

Compartilhe: Twitter

Atendendo aos pedidos da Julia, que comentou no último post pedindo uma explicação de porquê quanto menos você corre atrás de seu namorado, mais ele corre atrás de você, vou tentar fazer um post simples e prático sobre o assunto. Na vida, todo mundo é obrigado a ouvir essa frase pelo menos uma vez. Logo quando a gente começa a namorar, alguém chega e diz que não é para você correr atrás da garota que só aí que ela vai te valorizar um pouco. Não posso dizer que é mentira, mas também não posso afirmar que é um fato. É um risco.

Minha mãe me fala que todo mundo gosta de ter um bobo no seu pé. Isso sim é verdade. Hoje em dia eu conheço muita gente que namora só para ter alguém atrás o tempo todo e, é claro, ter a segurança de que sempre que bater a vontade de beijar alguém, terá uma pessoa te esperando do outro lado. A grande questão é que, com isso, a gente acaba não enganando somente a pessoa que está conosco como enganamos à nós mesmos. Isso não é um relacionamento sadio para ninguém. Viver nessa vida de “mascarar a insegurança” só gera uma pessoa cada vez mais insegura. Ninguém precisa disso para viver, não é mesmo?

Voltando ao assunto de correr atrás, eu acabei acreditando que o ser humano gosta de ser mal tratado. Quando a gente quer dar carinho, a pessoa gosta, mas se sente querida o bastante para parar de te dar atenção. Por que isso acontece? Pois quando uma pessoa se mostra sempre presente, a outra acredita que vai tê-la a qualquer hora. É a mesma coisa da relação de comodismo que eu disse aqui em cima.

Quando a gente para de ir atrás de alguém, a pessoa logo sente esta falta e se toca que pode ter se acostumado errado, então vem atrás de você porque acredita que “te perdeu”. O objetivo, então, é reconquistar a pessoa para ela voltar a ficar ao lado da gente o tempo todo. Deu para entender a relação estranha que a gente acaba criando em nossa cabeça? Quando temos alguém para dar carinho, ficamos com medo de nos esforçar ao máximo para confortar tal pessoa porque ficamos com medo de que ela vai se afastar. Quando recebemos muito carinho, porém, acabamos nos enganando e acreditando que a pessoa vai nos dar carinho para sempre. Sem contar que, com isso, acabamos esquecendo que tal pessoa também tem necessidades de carinho e acabamos cobrando somente o que nos faz bem, mas nunca estamos presentes para as necessidades dela

De todas essas frases clichês que definem os relacionamentos, somente uma funciona pra mim: quando a gente perde é que a gente sente falta. Diz aí se não é verdade?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, Situações Tags: , , ,
22/07/2008 - 13:16

Brincar de namorar

Compartilhe: Twitter

Para as meninas, a parte mais difícil de uma relação é assumir. Todo mundo quer se assumir. Eu só ainda não entendi o que. Depois do começo da “ficada”, se ela dura um tempo, as garotas logo vão pensando em namorar e, é claro, culpam a nós, os meninos, por não tomarmos nenhuma iniciativa. Por que a gente é assim? Porque somos um pouco menos utópicos e despreocupados. Nós, quando pequenos, não ouvimos tantos contos de fadas…

Não é malvadeza minha dizer isso, acredite. O que se passa na nossa cabeça é que se a gente se envolveu com alguém e continuamos com esse “lance”, é que estamos juntinhos e, por isso, já temos alguma coisa com a garota. Muitos meninos não se tocam que ainda precisam pedir a menina em namoro, para nós, o tempo junto já diz automaticamente que um namoro está acontecendo. Mas sempre existe aquela situação chata em que um familiar chega perto e pergunta para o moço: “essa é a sua namoradinha?”. Daí vem aquele momento constrangedor em que você tenta negar, ele fica com as bochechas enrubescidas até que um diz “não, é só amiga”. Pronto, isso basta para você sair correndo para o banheiro e ligar para a melhor amiga e lamuriar toda a vida.

As regras do jogo

Pois bem, todo mundo quer namorar e a gente não sabe o que fazer. A maioria das reclamações envolve esse lance de assumir a relação, de dar a ela um rótulo: namorando. É mesmo importante ter isso na sua vida? Muita gente não passa por esse pedido e seguem tranqüilos pela vida de casal. O certo seria saber, automaticamente, quando se está namorando. Antigamente, não havia toda essa coisa de ficar. Se você beijava alguém, já estava de namorico. Hoje as pessoas inventam de tudo para fugirem de um relacionamento sério. Ninguém quer mais compromisso, todo mundo quer só curtir a vida.

Eu penso assim: existem os beijos de “balada” e os outros beijos. Se você beija alguém só por uma vez, aquilo não é um namoro. Se você fica com alguém e continua se encontrando com tal pessoa, vai a jantares, ao cinema durante um período de um mês, está namorando. É meio óbvio, a gente que não quer assumir tal compromisso. Eu entendi como as coisas funcionam, por isso prefiro pedir às pessoas com quem me envolvo em namoro. Nas minhas relações, gosto de deixar bem claro o que estou vivendo, em qual fase estamos.

Para as meninas que ainda estão em dúvidas e fazem questão de um pedido oficial, a melhor coisa que se tem para fazer é jogar o cara na parede. Deixar bem claro que você quer namorar, que você quer algo sério com o garoto é um ponto crucial para a relação. Se o menino é daqueles que nunca te apresenta como a namorada, cobre-o. Não há nada de errado e feio nisso. O grande problema é que as meninas devem começar a se sentir mais seguras, devem ser mais confiantes em si mesmas. Afinal, por que ele é quem deve decidir quando se começa um namoro e não você? Se juntos e bem conversados, a hora ideal para gritar para todo mundo que se está namorando é quando os dois já perceberam que o outro é essencial para o dia a dia.

Agora eu quero saber: existe alguma menina que pediu o garoto em namoro?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , , ,
Voltar ao topo