Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria Situações

10/03/2009 - 09:37

Como conviver com os hábitos estranhos do seu namorado

Compartilhe: Twitter

Conviver ao lado de alguém é muito, mas muito complicado. Cada um é criado de uma forma, com certas maneiras e costumes. Obviamente, quando você acha um namorado, vocês, em um geral, serão muito diferentes. Ele, por exemplo, pode gostar de apertar a pasta de dente no começo do tubo. Você, no final. Apesar de parecer uma besteira sem importância, saiba que isso pode render várias discussões em seu relacionamento.

Namorar alguém é isso: conhecer outra pessoa, compartilhar hábitos e aceitá-los, acima de tudo. Cada um tem que ceder um pouquinho para que o outro ganhe espaço e se sinta à vontade ao seu lado. Não adianta você ficar cobrando para que o menino mude todas as manias dele pois você não gosta. Não é assim que a vida funciona, infelizmente. Quanto mais você cobrar mudanças repentinas na vida de alguém, mas a pessoa se afasta de você. O legal da relação é ir conhecendo o outro de pouquinho, se acostumando com os hábitos – que, ao seu ver, são malucos de doer – e ir tentando se adaptar.

Caso exista alguma coisa que o seu namorado faça que te deixe muito irritada, tente ir mudando esse hábito aos poucos. Converse com ele para – muito importante – que ele descubra que ele tem aquele hábito. Muitas vezes, as pessoas têm movimentos tão robóticos que nem percebem que existe algo não casual ali. Por exemplo, eu tenho uma mania incrível de sair do box do chuveiro todo molhado e, por isso, acabo deixando o chão lastimável. Se alguém não tivesse me dito isso um dia, eu nunca ia me tocar e começar a me enxugar antes de sair, né?

A real é: todos somos diferentes. Por mais que queiramos ser iguais à outras pessoas, sempre mantemos algo de nós. É a nossa personalidade, nossa essência. É isso que nos difere do resto do mundo. Então, será certo mudar?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, Situações Tags: , , ,
03/03/2009 - 12:13

Sleepover: a cama alheia é mais gostosa

Compartilhe: Twitter

Chega uma hora na vida dos adolescentes que a cama do outro é sempre melhor do que a sua. Ainda mais se ela já estiver ocupada com alguém. O único problema dessas mudancinhas de casa são os nossos pais. Ir, uma vez o outra para a casa do namorado, tudo bem. Agora se você disser que vai dormir lá, já fique preparada para um sermão interminável. De vez em quando, com razão…

Para nós, é supercerto e não tem nada demais sair e ir dormir na casa do nosso namorado. Se é normal ficar na casa das amigas, não tem problema algum passar a noite com o gato, certo? O problema é que depois que rolar a primeira vez, provavelmente você irá gostar tanto que vai querer repetir a dose todas as semanas. Isso vai ser uma das suas primeiras formas de expressar a sua liberdade, de mostrar que você está crescendo e precisa de certa independência. Ops! Não é tão fácil assim deixar a saia da mãe, não.

Pai, vou lá no Joãozinho e volto cedo. Cedo da manhã.

Qual a melhor forma de pedir para que seus pais autorizem a dormidinha na casa do namorado? Primeiro de tudo, você tem que provar à eles que os pais do garoto vão estar por lá. Mesmo que não estejam, faça parecer que eles vão ficar assistindo novelas no meio de vocês. É óbvio que se você dizer que vai ficar sozinha com o garoto na casa dele, a resposta vai ser não. Se tem gente grande na parada, a história já muda. Depois, você tem que ir conversar com os seus pais para mostrar à eles alguma firmeza, dizer que só vai ser uma noite de diversão, para vocês assistirem filmes e comerem pipocas juntos. O máximo que vai rolar serão alguns beijos no sofá. Só! Se você tiver outras intenções com o garoto, não acho errado contar, não. Caso você tenha uma boa relação com os seus pais, é uma daquelas filhas que compartilha tudo com a mãe, espere um momento e diga a real para ela. Com certeza, com sinceridade, as coisas ficam mais fáceis.

Se seus pais recusarem e não darem o braço a torcer, aceite. Afinal das contas, são eles que pagam as suas contas. Depois de um tempinho, tente de novo. Um dia, claro, eles irão ceder.

Sogrinha, cheguei!

Tá, seus pais deixaram, você já preparou a sua linda mala rosa e está na porta da casa do garoto. Lembre-se que uma sogra amiga é a melhor pedida para um namoro. Educação é a palavra-chave para sua estadia na casa alheia. Tente se controlar nas palavras, nos amassos públicos, ofereça para lavar a louça, ajudar a cozinhar. Sei lá! Mostre-se útil e educada. Se você chegar zoneando a casa do menino, provavelmente será a sua última vez por lá.

Claro que desastres acontecem. Uma antiga namorada, por exemplo, na primeira vez que foi conhecer minha família levou uma garrafinha cheia de água para dar conta do calor. No entanto, a tampinha estava meio aberta e ela foi abaixando para cumprimentar a todos. Não deu outra, voou um pouco de água no colo de cada um. Logo depois, na cozinha, ela foi pegar um pouco de refrigerante e a garrafa explodiu bem no rosto dela. A família toda riu, claro, mas, com isso, ela conquistou a empatia de todos.

Hora de dar tchau

Depois de passar a noite com o menino, é bem triste ter que deixá-lo. Porém, você não deve desanimar. Depois da primeira vez, as próximas serão bem mais fáceis. Claro que você não deve se acostumar, senão os seus pais vão encrencar e, pior, a família do menino pode começar a achar chato. Tente manter um ritmo, combinar de ficar juntos umas duas vezes ao mês. Assim, todo mundo fica contente =)

E você, já dormiu na casa do seu namorado? Como foi os trâmites para convencer os seus pais? Conte aí!

Autor: - Categoria(s): Situações Tags: , , ,
17/02/2009 - 13:29

É carnaval. Ele vai e você fica?

Compartilhe: Twitter

Vamos todos festejar, não tem época melhor para isso. É carnaval, o Brasil inteiro espera ansiosamente por essa época do ano e você, linda e loira, esperava que o seu namorado fosse aproveitar a longa folga para gastar um tempinho com você. NOT! Semana passada, o cara chegou e avisou assim, como quem não quer nada, que vai viajar para, sei lá, Salvador ou Florianópolis. Sozinho. A trabalho, com a família, devido à uma promoção da rádio, achou uma passagem. Não importa. O ciúme bate, a tristeza chega, a insegurança grita e você, maluca de raiva, já começa a pensar na vingança. Será certo?

Antes de mais nada, você deve saber o motivo por qual o seu moço vai viajar. Se for por causa do trabalho, você não deve grilar com o pobre coitado, afinal das contas, ele provavelmente vai estar lá acompanhado de colegas de serviço, trabalhando que nem um doido e não vai nem curtir a folia do carnaval. Foliona, nesse caso, é você. Se o garoto não vai a vontade, não trete com o pobre coitado. O certo é ficar ao lado dele e incentivar a curtir a viagem, afinal, passeio é passeio.

Já se o menino chegar falando que vai sozinho e nem se dar ao trabalho de te convidar, desconfie. Ninguém é de ferro, né? Você tem todo o direito de ficar cabisbaixa e querer uma satisfação. Mas eu não acho que isso é motivo para vingança, não. Não é porque ele vai que você deve sair todos os dias para a balada, sozinha, e fazer o que der na telha. A grande graça dos relacionamentos é quando um dos lados é mais maduro que o outro. Se você ficar em casa quieta – mas claro, curtindo as festas com as suas amigas, sem aprontar nada – vai acabar mostrando para o garoto que você tem a cabeça bem mais feita que a dele, é mais segura e raciocina direito. No final, ele acaba descobrindo que errou e, se não for muito orgulhoso, vem pedir desculpas.

Claro que a situação não é fácil para ninguém, você tem todos os motivos do mundo para desconfiar de que ele vá fazer algo de errado. Aí você tem que ser forte e tomar uma atitude: aceita e respeita a liberdade dele, se oferece para ir junto sem ser convidada – cara de pau, de vez em quando, faz bem – ou joga ele contra a parede.

De resto, aproveite, mesmo que sozinha, esse tempo de festa. Ele, por mais razão que tenha, não vai poder cobrar nada de você =

Ah! E use camisinha, seja lá o que for fazer =P

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, Situações Tags: , ,
27/01/2009 - 09:57

O teatro e as mentiras sexuais

Compartilhe: Twitter

Guardem o link deste post, um dia, acredito eu, ele vai virar uma enciclopédia masculina sobre o sexo. Vai ser aquele tipo de texto Bombril, que fala de tudo um pouco. E a gente começa por…

Por que eles dizem que já fizeram sexo com a escola inteira se nunca vi ele pegar ninguém?

O sexo é aquele tipo de coisa que divide a nossa sociedade em dois extremos: o homem, que anseia pela primeira vez e vai correndo quando surge a chance, e a mulher, que sonha com um conto de fadas e se guarda pelo máximo de tempo que consegue. Aí vem o problema. As meninas não mentem sobre sua virgindade. Já os garotos… Existe toda uma pressão da galera em relação ao menino. Quanto mais tarde ele perder a virgindade, mais zoado ele é. Então quer coisa mais fácil do que mentir? O menino inventa que já pegou aquela moça argentina que veio ao Brasil e ficou encarando ele na balada e a coisa rolou ali mesmo, no banheiro, com todo mundo vendo. Sem contar aquela loira de 43 anos que se apaixonou por ele, um guri de 15.

A história é sempre essa. É difícil achar, hoje em dia, algum menino que não tenha medo de esconder a sua virgindade. Para as meninas, isso é bem ruim. Isso porque elas nunca sabem, na real, o que o garoto espera. Daí vem a primeira vez dela com um garoto, o bambambam, o experiente. Chega na hora H e rola aquele vexame. O menino não sabe o que faz, a menina espera ser conduzida… Xiii.

Ele me dá prazer, mas eu não chego lá e faço um teatrinho básico. Vale?

É de conhecimento de todo mundo que as mulheres mentem, muitas vezes, o que estão sentindo na hora H. A história é conhecida por todos, muitas meninas simulam o orgasmo como uma tática de encenar de que o sexo foi perfeito. Desta vez, são os meninos que sofrem, por não saberem quando elas estão dizendo a verdade ou não. O que acontece? O menino se preocupa tanto em tentar fazer a moça chegar no ponto G que, na hora, ele se esquece dos detalhes e acaba indo direto ao pote. Isso quando consegue fazer alguma coisa, né? Muitas vezes, a pressão atrapalha tanto…

Como perceber? Não há uma fórmula exata, afinal, as mulheres são ótimas atrizes. Mas há algumas dicas: os sons, as caras, os tremores, a intensidade… Tudo isso fica diferente no fingimento e no real.

Ele não conseguiu…

Broxar. Eita palavrinha que bota medo. Todo menino já passou isso uma vez na vida. De experiência, isso acontece quando está rolando alguma coisa por trás da vida do garoto. Exemplo? Um problema com a família, uma desconfiança, falta de dinheiro… Os meninos broxam sim, não existe idade para isso. E o problema é todo nosso? Talvez sim, talvez não. Se for a primeira vez entre vocês dois, como se fosse um sexo casual, e o menino broxar, talvez você o tenha assustado em algo. Um beijo que não combinou, um movimento que ele não gostou, muitas coisas são motivos para deixar o menininho pra baixo.

E aí, tem mais alguma coisa que queira perguntar? Mande nos comentários, entra na comunidade do Orkut e poste algo lá!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, sexo, Situações Tags: , , , ,
20/01/2009 - 09:40

Big você Brasil: caiu na rede, é peixe.

Compartilhe: Twitter

Vanessa Hudgens e Miley Cyrus: fotos sensuais na rede

O Big Brother Brasil 9 já tá aí. Para você que curte o programa, já deu para perceber como a produção da Globo foi inteligente ao dividir a casa em duas partes – A e B – e ainda colocar um participante na Casa de Vidro, que só vai chegar no local principal depois de muuuuito tempo que o programa estiver rolando. Já pensou você ali? Será que você aguentaria o tranco? Todo mundo te olhando, te julgando, você tendo que prestar atenção em todos os detalhes do mundo, para não mostrar aquilo que todos querem ver… Vish! É muita coisa para uma cabeça só. Tá, Caio, mas o que é que isso tudo tem a ver com o iBoy? Bom, vocês se lembram da Vanessa Hudgens, que fez algumas fotos de calcinha e sutiã para o namorado e, sem querer, todo mundo viu estas fotos? E a Miley Cyrus, ousadinha que só, com suas fotos acompanhadas de suas melhores amigas? Imagina se todo mundo vê uma foto sua que era só para UMA pessoa ver? Tá, tudo bem, elas são celebridades, a pressão é maior… Mas e com você?

Zoológico digital humano

Boninho, o diretor do BBB, classificou o programa como um zoológico humano. A internet não é muito diferente disto, não. Colocar uma foto sua de biquini no Orkut é igual à publicá-la em uma capa de revista internacional. Todo mundo pode ver, compartilhar, comentar e usar. O que você deve ter em mente antes de colocar uma foto destas em qualquer site é que você pode ser legal, mas o mundo não é. As pessoas podem usar a sua foto para várias coisas e, acredite, eu conheço gente que já foi parar até em site pornográfico sem saber. Lembre-se também que os seus pais podem ver aquilo e não gostarem nada, aí, prepare-se para o castigo. 10 dias sem internet não dá, né?

Todo mundo é de todo mundo

Uma das piores coisas de se expôr na web sem limites é que todos os seus colegas vão ver aquilo e comentar no outro dia. Imagine se, no seu colégio, onde todo mundo está acostumado a te ver usando uniforme e só, as pessoas vêem uma foto sua vestindo só calcinha e sutiã? Certeza que você vai virar o assunto do mês. E a coisa piora quando as outras meninas, aquelas que não gostam muito de você, começam a achar gordurinhas e defeitos no seu corpo. Isso sempre prejudica a gente, faz com que nos sentimos mal.

A pergunta é: pra quê? Eu sei que muita gente precisa colocar essas coisas na web para se afirmarem, ou seja, para que os outros comentem elogiando você e, com isso, fazer que seu ego se sinta muito bem. Mas isso é realmente necessário?

No caso do Big Brother, tem um motivo: é um milhão de reais que está em jogo. No caso da web, você não terá recompensa nenhuma. O legal é que você aprenda a aceitar o seu corpo e preservá-lo. Dizem que surpresas são mais gostosas…

Já foi, tô na boca do povo. E agora, vou para o México?

Se você já colocou suas fotos lá e todo mundo já começou a zoar com você, de nada adianta fugir. Agora é aceitar o seu erro. A primeira coisa a fazer é tirar todas as fotos do ar, assim, menos gente irá ver. Claro que sempre tem aquele amiguinho bacana que salvou a foto e já mandou para o grupo de e-mail da sua sala. O jeito é ignorar os comentários maldosos e seguir em frente. Se você ficar nervosa com as pessoas, mais tempo eles vão insistir em zoar com a sua cara. Se você se mostrar indiferente, a brincadeira perde a graça mais rápido. Então é levantar a cabeça, assumir a besteira e tentar esquecer. Um dia, tudo passa.

E você, já teve alguma história parecida? Conte aí nos comentários ou entre na comunidade do iBoy no Orkut e poste lá os seus casos!

Autor: - Categoria(s): Situações Tags: , , , ,
06/01/2009 - 11:38

A melhor maneira de perder o BV é…?

Compartilhe: Twitter

Hoje em dia é muito difícil, mas muito difícil mesmo, encontrar alguma menina com 14 anos que seja BV. Cada vez mais cedo, as meninas – e os meninos, é claro – começam a se beijar por aí. Porém, quando parece que já deu o “timing“, nasce o medo. Muitas garotas morrem de medo do primeiro beijo e o encaram como um bicho de sete cabeças. Onde ponho a língua? Como faço para ser gostoso? E a mão, fica onde? Tem que virar a cabeça? Calma, calma… Beijar não é assim tão complicado, não. Mas pode ser um desastre total.

Para tudo na vida, a primeira vez é complicada. Seja o primeiro dia de aula, o primeiro trabalho, a primeira prova, o primeiro beijo, a primeira vez. Claro que é normal sentir medo de beijar, mas não é por isso que você deve se privar. Vale lembrar, neste caso, que o primeiro beijo é sim algo muito importante. Provavelmente você irá carregá-lo consigo para o resto da sua vida. Já o segundo e o terceiro, você nem vai lembrar como aconteceram. Muita gente subestima o beijo, não dão a devida importância para ele. É aí que as pessoas já começam errando. Sim, vale a pena criar um milhão de expectativas para ele. Sim, vale a pena ficar com medo e querer fazer tudo certo. Não, não vai ser bom…

Deixar de ser BV pode ser um pouco desconcertante, o certo é você ler bastante sobre o assunto antes. Não estou brincando, não. As vezes, se você se informa um pouquinho, você pode fazer bem bonito da primeira vez. Se quiser e puder, pergunte à alguém como é que se beija. Acredite: se você tiver um “conselheiro”, vai ser bem mais fácil. Depois, acho que não vale a pena ficar esperando muito tempo para deixar ele acontecer. O importante é que seja com alguém que você sinta atração, goste, seja colega. Alguém com quem você poderá ter uma segunda chance – você provavelmente vai precisar dela.

Dicas para beijar bem?

Não há como dar dicas de como beijar, isso por que eu acredito que cada um tem um jeito, um estilo, uma “pegada”. Tem gente que adora beijo rápido, daqueles que parece que um vai engolir o outro, outros, como eu, preferem o beijo que começa beeeem demorado, com a mão passando pela nuca e costas da pessoa e depois acelera, acelera e acelera, mas há aqueles que gostam dele bem devagar o tempo todo. Tem gente que brinca com a língua, tem gente que nem põe ela pra fora direito. Tem pessoas que adoram mordidas e outras que têm o lábio muito sensível para isto. Alguns abrem a boca demais, outros de menos… Enfim, deu para entender? Beijo é algo tão pessoal, mas tão pessoal, que acho que ninguém pode definir como o seu pode ser. Aquilo que te der vontade de fazer, faça. O beijo é como sua marca especial.

Como muitas reclamam no e-mail que eu não conto nada da minha vida aqui, vou deixar o relato do meu primeiro beijo: Eu estava no meu prédio, com 14 anos, brincando de verdade ou desafio. Uma menina foi desafiada para beijar um colega meu e ela disse que ‘figurinha repetida não valia’ e apontou para mim, perguntando se podia me beijar. Eu fiquei atônito. Virei para o lado e perguntei à uma amiga ‘mas como faz?’, ela me explicou rapidamente e eu, sentado, fechei os olhos e esperei. Ele aconteceu, durou uns 10 segundos e eu saí com a boca toda molhada. Dois anos depois, tive a chance de beijar esta menina de novo. O que rolou? Ela soltou um ‘você melhorou muito desde a primeira vez’. Fiquei orgulhoso, rs.

Agora quero ouvir de vocês: como foi o primeiro beijo? Comenta aí!

Obrigado, Tháa, pela sugestão de post ;*

Autor: - Categoria(s): Situações Tags: , , , , , , ,
11/11/2008 - 14:59

Estou apaixonada, amando ou gostando dele?

Compartilhe: Twitter

Alguém já parou para contar quantas vezes a gente diz “eu te amo” em um dia? Se você começar a prestar atenção, vai reparar que para se despedir de alguém na internet, acaba soltando a frase. Eu acredito que aqui no Brasil as pessoas esqueceram o que é realmente o amor. Afinal, você já viu nos seriados americanos o impacto que um “I Love You” causa? Nós andamos tão desacostumados que, quando vemos o amor sendo tratado com tanto valor e peso, acabamos fazendo chacota das outras pessoas. E você por um acaso sabe o que é estar apaixonada, amando ou gostando de um menino?

Bom, como você já deve imaginar, são três situações extremamente diferentes. Gostar de alguém é o sentimento básico. Eu gosto daquela pessoa, eu gosto de um primo, eu gosto de uma amiga, eu gosto do meu cachorro. Gostar é sentir afeição, carinho, ter prazer em ficar junto. Mas é um sentimento muito vago, amplo. É básico: ou você gosta ou não gosta. Funciona com as pessoas do mesmo jeito que funciona com os seus presentes de Natal.

Estar apaixonada é um passo acima de gostar. Na verdade, são muitos passos. A paixão é aquela coisa fumegante e efêmera, que vem com tudo e vai embora do nada, sem você ao menos perceber. Quer um exemplo? O garoto do colégio. Sabe quando você fica doidinha por um menino e, quando consegue, o fogo abaixa? Então, é exatamente isso que acontece quando você está apaixonada. A relação pode durar um tempo e até vir a se tornar amor. Mas o que caracteriza a paixão é a força e o tempo.

O amor é um dos sentimentos mais complexos que existe no mundo. Ele não é que nem a paixão, que pode durar uma noite ou alguns dias. O amor é aquela coisa estranha que chega e te prende pra sempre, que faz você passar anos ao lado de uma pessoa simplesmente por ela existir, é quando você fica feliz por qualquer ato que o outro realiza, qualquer avanço, quando o coração fica maluco só de saber que você irá ver quem gosta em instantes, quando você acorda pensando na roupa que irá usar para ver o seu amado, quando você fica disposto a passar a vida inteira ao lado de alguém.

Muita gente desvaloriza demais o amor e faz com que ele pareça um sentimento bobo. Eu acredito que a gente só sabe que está amando quando a gente vive. Logo…

E você, já ficou apaixonada ou amando alguém?


Cena de “The O.C.”, quando Marissa diz para Ryan que o ama e ele responde com um “Obrigado”

Autor: - Categoria(s): Situações Tags: , , , ,
21/10/2008 - 08:34

Cinco coisas que você sempre quis saber sobre os garotos

Compartilhe: Twitter


O homem é um ser humano do sexo masculino, animal bípede da família dos primatas pertencente à subespécie Homo sapiens sapiens. Quando criança , é chamado de menino. Quando adolescente, vira rapaz. Expliquei bem?

A ciência é muito vaga quando define, assim, por cima, os seres humanos. Homem que é homem é bruto, indelicado, chato. Mentira, a sociedade também é vaga – e preconceituosa – quando rotula alguém. Homem que é homem é bem mais complicado e, assim como nós, garotos, temos duvidas em relação às mulheres, é natural que vocês, garotas, tenham muitas duvidas em relação aos homens. Esse quadro só piora quando percebemos que, na real, somos muito mais fechados do que vocês. Sem querer, as meninas acabam falando abertamente os seus problemas e até suas soluções sem pudor nenhum. Um homem, no entanto, prefere esconder. Então cá estamos com cinco coisas que vocês sempre vão tentar entender no sexo oposto. Segura aê!

1 – Por que nós coçamos tanto o “moço”?
Existem duas situações que podem explicar o ato. As meninas sempre se perguntam por que a gente anda com a mão ali o tempo todo. A primeira – e natural – resposta é que, quando os pêlos da região estão crescendo, eles começam a raspar na coxa (ok, é meio nojento ler isso, né?) e até que o crescimento esteja finalizado, eles incomodam. Depois, claro, a coceira vai embora. Porém, parece que para alguns meninos a coisa nunca termina. Aí é por vontade própria mesmo. Sabe os rappers, que vivem com as mãos lá? Então, alguns garotos acreditam que isso exala virilidade. É, eu também não entendo.

2 – Por que não somos vaidosos?
De vaidoso, todo mundo tem um pouco. Acredite, não é que nós não somos vaidosos, a gente só não gosta de falar isso em alto e bom som pois, é claro, isso afeta a nossa masculinidade. Ou você acha que o nosso topete já acorda pronto? Claro que não! Tem gente que leva anos na frente do espelho para deixar o cabelo tinindo. Sem contar que muitos meninos podem afirmar que não são se importam nada com a aparência, mas daí você repara nas roupas, nos tênis e vê que sim, ele se preocupou com o que comprar: na cor, na marca, no modelo…

3 – Por que a gente não liga no dia seguinte?
Isso é muito relativo. A gente não liga porque muitas vezes saímos com a intenção de ficar com uma garota e só. Uma relação que dura somente uma noite e não se propaga para o dia seguinte. Claro que as meninas também saem com este interesse algumas vezes. A culpa, de fato, não é nossa. Pensando bem, balada não é lugar de querer arranjar namorado, né?

4 – Por que somos tão crianções?
Fisicamente, é notável que demoramos mais tempo para amadurecer do que as meninas. Logo, isso também acontece psicologicamente. A gente não quer ser crianção, nós somos pois simplesmente não enxergarmos isso. E atenção, isso não é uma coisa atual, nova, que veio com o computador e vídeo game, é desde sempre. As meninas sempre acabam tendo uma ‘rede social’ maior que a dos meninos, têm conversas mais sérias, se preocupam com a vida mais cedo. Os meninos não! Muitos pensam que a vida vai ser brincadeira para sempre e, por isso, não deixam de brincar nunca. Enquanto elas guardam as Barbies com 12 anos, a gente aposenta o carrinho só quando ficamos incapazes de dirigir.

5 – Por que só pensamos em sexo?

Não, a gente não é um bando de tarados e maníacos sexuais. De certa forma, a sociedade impõe que devemos fazer sexo e, claro, isso também vem da natureza humana. Eu, que não sou médico e nem nada acredito que a testosterona é mais forte (já que possuímos mais) na gente e isso acaba nos deixando um tanto quanto vidrados no assunto. A culpa nem é nossa, é do nosso corpo e, se demoramos para amadurecer, demoramos também para desenvolver um controle sobre isso.

Agora é com vocês aí nos comentários: mais alguma dúvida?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, sexo, Situações Tags: , , , ,
14/10/2008 - 10:28

Ciúme de celebridade vale?

Compartilhe: Twitter

Todo mundo sabe que quando a gente é jovem, sempre nos ‘apaixonamos’ por um ídolo. Esse amor platônico não é nada demais, é claro. Só ficamos viciados em algum ator, cantor, apresentador de TV ou qualquer coisa do ramo. O problema é quando isso começa a afetar a nossa vida pessoal. Fanatismo tem lá as suas vantagens, mas pode acabar comprometendo alguns momentos da sua vida. A coisa fica feia quando a namorada não gosta nada de tal celebridade e ainda fica com ciúme, pois você está trocando o seu tempo livre para ficar fazendo algo relacionado à outra, não à ela. Daí complica.

Não, ciúme de gente famosa não vale. O ruim é que, muitas vezes, a gente nem percebe em que grau está nosso fanatismo e acabamos deixando de lado quem faz parte da vida real. Antes, em um namoro passado, eu cheguei a dizer para a menina que eu só trocava ela se uma tal cantora aparecesse na minha frente. Até hoje não sei como a garota interpretou isso… Para quem tem um namorado fã de uma banda, por exemplo, existem três alternativas:

1 – ou você compartilha o gosto do garoto, aprende a gostar das mesmas coisas que ele, discute assuntos relacionados com ele – já que ele sempre vai querer contar para alguém as últimas novidades sobre tal grupo, conversa e entende que aquilo é só uma coisa que ele gosta, mas nada que vai superar o amor dele por você.

2 – não precisa gostar da banda, mas é sempre bom ficar ao lado dele quando ele quiser ver um DVD novo, por exemplo, ou ouvir o CD fresquinho que saiu. Apesar de parecer bobeira, um esforço que dura, no máximo, duas horas, não mata ninguém, né?

3 – tenta mudar o gosto dele. Essa é a mais difícil e a que mais pode te trazer problemas. Eu acredito que quando a gente entra numa relação, acabamos por compartilhar todos os gostos, por mais estranhos que sejam, com a pessoa próxima. De um jeito ou outro, aquilo vai estar sempre ali, presente, de alguma forma, na relação de vocês.

O que não é legal é começar com joguinhos do tipo: “você vai ficar aí vendo vídeos dela ao invés de ficar aproveitando o tempo comigo?” ou “escolhe: ou eu, ou ela”. Pode parecer impossível alguém fazer isso, mas, acredite, eu conheço…

E você, já namorou algum fanático?

Autor: - Categoria(s): Situações Tags: , , ,
02/10/2008 - 09:00

Pegação em público tem limite?

Compartilhe: Twitter

Que se atracar com alguém é uma das coisas mais gostosas do mundo, ninguém duvida. Demonstração de afeto em público também é muito agradável. Se unirmos o gostoso ao agradável a gente tem… pegação. É, o pessoal anda mesmo sem noção de espaço e mais sem vergonha do que nunca. Parece que pra onde a gente olha, tem alguém se pegando. Há uns anos, isso era só coisa de balada e lugares mais privados. Hoje, a galera tá achando que qualquer lugar é lugar de amasso.

Existe uma grande diferença – e, ao mesmo tempo, uma linha muito fina – entre “pegação” e “amasso”. Quando você tá com alguém no colégio, por exemplo, e começa a ficar de namorico com um garoto, o clima sempre acaba esquentando em algum canto. Claro que você tem toda uma repressão, já que ali é um lugar de estudo e qualquer passo em falso seus pais podem ser informados. Mas é bem normal ficar dando “uns amassos” em um canto mais silencioso, onde amasso é igual à uns beijos mais fortes, uma mão boba, uns carinhos e uns abraços apertados.

Já a pegação rola quando a pessoa perde as estribeiras e não respeita absolutamente ninguém que está em volta dela. Lambidinhas na orelha não é coisa de se fazer em público, não. Muito menos esfrega, esfrega. Todo mundo sabe que é gostoso, mas a gente gosta de fazer e não ficar vendo os outros fazerem. Existem situações que ficam até chatas, não é?

E você, acha que deve ter limite para a pegação?

Autor: - Categoria(s): Situações Tags: , ,
Voltar ao topo