Publicidade

Publicidade

24/11/2009 - 14:58

Descobri que meu namorado saiu sem me contar, o que fazer?

Compartilhe: Twitter

dv803009

Namoro começa com a confiança. Com isto, tudo fica mais bonito. Não adianta insistir, se você não confia no seu namorado, não vai rolar uma boa relação. É simples. É duro, mas é verdade. Uma leitora me enviou um e-mail falando que ela descobriu que o namorado dela saiu sem avisá-la. Assim, saiu escondido. Não disse nada. Sabe-se lá para onde, sabe-se lá para quê. E agora?

Primeiro de tudo: como você descobriu que ele saiu? Fuçou nas coisas dele? Procurou? Perguntou para os amigos? Viu a conta bancária? Tá, se seguirmos o pensamento Maquiavélico, os fins justificam os meios. Você descobriu algo. Mas… Valeu a pena? Com o decorrer da minha vida de perseguição, acabei entendendo que não, não vale a pena. Entendi, das piores formas possíveis, que o que os olhos não veem, o coração não sente. É o ditado mais clichê que existe, mas é o mais verdadeiro. Antes de qualquer coisa, antes de qualquer desconfiança, você tem que pensar se você está dando o seu melhor. Se você está se empenhando para o namoro dar certo, se você é fiel, é verdadeira, é honesta e, caso você ache que o seu namorado está fazendo algo de errado, não vá atrás. Coloque na sua cabeça que, seja lá o que ocorra, você não tem culpa. Você deu o seu melhor. Você quis fazer a sua relação dar certo. Ele não deu valor. E lembre-se que não é possível monitorar 24/7 a vida dos outros.

Quem procura, acha. É sempre assim. Não importa o que você vai ler, você sempre vai levar para a negativa. É natural do ser humano. Se você ler algo do tipo “foi legal ontem”, você já vai acreditar que ele fez algo de muito errado com alguma outra menina. Daí você fica chateada, muda o clima e acaba assumindo que fuçou nas coisas dele. Se ele for esperto – como a maioria é – ele vai acabar conseguindo reverter a situação e, mesmo se tenha saído e tenha feito algo de errado, você vai parecer ser a culpada por mexer nas coisas que não são suas.

Caso seja evidente que ele tenha saído ou feito algo de errado, você vai ter que pensar em duas ações:

1 –
encostá-lo na parede e contar a real. Para este caso, fique preparada para o pior. Muito provavelmente ele não vai conseguir se explicar, vai ficar nervoso e jogar a culpa em você. No fim, você vai acabar se desculpando e dizendo que ele tem razão.

2 – dar um basta na relação, sem explicar o motivo. Desta forma, sabendo que houve uma falha na fidelidade, não tem como manter as bases da relação? Ele falhou, você falhou. Então é chegar e dizer que você precisa respirar, pensar, que quer ficar sozinha. Não dê o motivo.

Caso você descubra algo deste tipo e insista em continuar com o relacionamento, se prepare para uma avalanche de indecisões e desconfianças. Se mesmo assim você desejar insistir, tem que deixar tudo isso para trás. É seguir em frente, sem medo e acreditar que o amor, por mais complicado, infiel e difícil que seja, vale a pena.

Você já descobriu algo que o seu namorado fez escondido? Conte para a gente como você agiu aí nos comentários!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , ,
17/11/2009 - 15:50

Menina já pode pedir o garoto em namoro?

Compartilhe: Twitter

rbrb_1539

Tic, tac. Tic, tac. O tempo passa, as coisas mudam, a sociedade evolui. Há algum tempo, era inadmissível pensar na ideia de uma menina pedir um garoto em namoro. Também era complicado acreditar que, um dia, os homens usariam roupas rosa. Quiça usar certos tipos de maquiagem. Enfim, os tempos mudaram, hoje vivemos em um meio bem mais liberal e sem tantas paranóias e cobranças. Nos dias em que ficar é o novo namorar, muitas garotas ainda não sabem ‘rotular’ a relação da qual fazem parte. Por exemplo: você está, há uns quatro meses, junto daquele garoto por quem você se apaixonou. Mas ele nunca te assumiu como namorada. Você, é claro, sempre ficou com um pé atrás e nunca se adiantou para classificar a relação. Uma hora, cansa. Você pode tomar atitude?

Olha, eu nunca vi uma garota pedir um menino em namoro. De verdade, acho que seria superlegal se isto rolasse, afinal, não vivemos mais naqueles padrões de anos atrás. Acredito que alguns garotos iam até gostar de ideia, já que a gente é quem sempre tem que pagar o micão de ir lá e oficializar as coisas (e até passar pela ansiedade de não saber se o pedido vai ser aceito ou não). Não vejo, de forma alguma, nada de errado em ser pedido em namoro. O único problema é: as meninas, no geral, têm uma ânsia por querer adiantar tudo. Dois dias após o primeiro beijo, elas já querem saber de namoro, casa e casório. Nós, claro, não somos tão sonhadores e acabamos sempre nos prevenindo.

Quer saber? Vou contar uma coisa para vocês. Já pedi, em toda a minha vida, três pessoas em namoro. A primeira foi assim: eu, com 14 anos de idade, apaixonado por uma garota, escutei os conselhos de uma prima dela e corri para pedir para namorar. Por MSN. Pois é. A coisa foi fria assim. Óbvio, o namoro não deu certo, mas nós vivemos bons momentos e somos amigos até hoje. Minha segunda namorada foi mais intensa. Estava dentro do teatro com ela quando fiz o pedido. Ela riu de forma constrangedora, atrapalhando o decorrer da peça e tudo mais. Por fim, roxo de vergonha, ela aceitou. O namoro até que durou um bom tempo e provavelmente fez parte de uma das fases mais gostosas da minha vida. O terceiro pedido foi via SMS, no último minuto de um dia dos namorados. A resposta demorou mais de 12 horas para chegar, mas veio pessoalmente. Este último sim ecoa até hoje, apesar de todas as diferenças. Enfim, usei o meu exemplo de vida para dizer que sim, sempre quis ser pedido em namoro, mas nunca aconteceu (fica a dica, tá?).

Para as meninas que querem namorar, mas não veem nenhuma ação por parte do garoto, a dica: não apresse e nem anseie por rotular o que você vive. Ninguém precisa saber a sua situação atual, o que importa é que você viva da forma mais intensa e gostosa possível. Em um bate papo informal, pergunte ao garoto se ‘vocês estão namorando’. Caso ele afirme, ótimo. Caso ele diga que não sabe, faça o pedido. É simples, rápido e – acredite – indolor. Se ele pedir um tempo para pensar, claro, dê todo o tempo do mundo para ele.

E as alianças? Outro post, né?

Mas me conta, meninas: alguma de vocês já pediu um cara em namoro? Como foi?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , , ,
10/11/2009 - 15:31

Só amigos

Compartilhe: Twitter

74066590

Nããããããããããão. Está aí a frase mais difícil de ser ouvida por qualquer apaixonado de plantão. A frase destruidora de casamentos e famílias felizes. A frase da amargura. A frase que nós, meninos, adoramos. E que vocês, meninas, começaram a odiar. Tem coisa pior do que se apaixonar por aquele garoto lindo do colégio, ele parecer corresponder, ele dar indiretas e, na hora “H”, ele aparecer com aquele papo de ‘somos só amigos’? Sério. Dá nos nervos, não dá?

E aí, como enfrentar uma situação destas? Na real, você tem que evitar que ela ocorra. Quando a gente é jovem, é comum nos precipitarmos para algumas coisas e trocarmos os pés pelas mãos. Não é porque um garoto é legal com você que ele está afim de alguma coisa, não. Caso você seja uma daquelas pessoas que acreditam que não há amizade entre meninos e meninas, você se enganou. Muitas vezes, os meninos não querem somente pegação, mas amigas, também. Ok, é difícil de encontrar coisa assim, ainda mais na adolescência, mas existe.

Se você gosta de um menino, não significa que ele sinta o mesmo por você. Antes de tomar qualquer atitude, para não ser precipitada, tente investigar o que o menino sente por você. A melhor forma de fazer isto é conversando com os amigos dele e tentando tirar alguma informação. Caso você acha que vai rolar algo de verdade, vá com fé. Mas se prepara para duas coisas, antes:

1 – ele pode te dar um beijo
2 – ele pode fazer todo um discurso chato e acabar com um ‘só amigos, tá? beijo vou jogar bola agora’

É, pois é. Podemos ser um pouco insensíveis, mas, na real, esta resposta é um eufemismo para: não quero namorar agora, quero curtir minha vida. Pois é, pois é. Daí não tem o que fazer. A relação de vocês já era e vai ser difícil voltar ao que era antes, porque vão rolar situações incômodas, sabe? Então, a melhor coisa a fazer, é esperar um bom tempo para tomar qualquer atitude. Claro, não tempo necessário para que o garoto desencane.

Tente ir chegando devagar, sem assustar, e sem ser muito direta. Se as coisas devem acontecer, elas vão rolar sem que nenhuma das partes empurre. Daí é só curtir a vida.

E você? Já levou ou deu um ‘só amigos’? Comente aí!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , , ,
04/11/2009 - 15:44

Tem como manter um relacionamento aberto de forma saudável?

Compartilhe: Twitter

42-17852056

Nestes tempos modernos em que estamos vivendo, é comum achar por aí pessoas que namoram, mas ficam com outras pessoas. São aqueles que chamam sua relação de ‘relacionamento aberto’. Ou seja, você namora alguém, mas pode ficar com quem quiser. Se rolar, pode até compartilhar e interagir. Enfim, as possibilidades vão de um para um milhão.

Primeiro, vamos ver qual é a lógica do relacionamento aberto: você namora alguém, mas é livre para ficar com todo mundo. Dependendo dos limites, pode fazer o que quiser com quem quiser. Daí quando bate a carência, você corre para quem namora. Não entendo muito bem estas coisas, mas acredito que os ‘namorados’ acabam ficando com a parte chata da relação aberta, não? Assim: todas as brigas, as discussões, os mal entendidos… Eles vão rolar sempre com quem? Por outro lado, se você tem a mente aberta o bastante para isto, pode pensar que, caso queira namorar desta forma, é bom ter sempre alguém para correr e abraçar quando sentir vontade, né? É tipo uma forma de se sentir seguro e querido o tempo todo e, ainda assim, alimentar o seu ego pegando geral por aí.

Relacionamento aberto não é só curtição, não. Para você se enfiar em um, tem que gostar muito da pessoa e ter muito – muito mesmo – pouco cíume. Além disto, nunca pode brigar com o seu companheiro por causa de meninas. Afinal, vocês que decidiram tomar esta vida, né? Muitas pessoas dizem que abrir a relação em um certo momento da vida à dois é bom para revigorar, para limpar a alma e dar a certeza ao outro de que é você mesmo que ele quer. Motivos existem de montes.

Tem gente que consegue viver numa boa com uma relação assim. Ah, tem também aquelas pessoas que gostam de dar mais liberdade à relação quando o assunto é sexo. Quantas vezes não vemos gente que namora e, vez ou outra, chama alguém para participar das noites calientes? É a mesma coisa: se você está afim de dar uma animada e diferenciada no seu namoro, é superválido interagir. Claro, é preciso muita conversa, muita compreensão e, acima de tudo, combinar tudinho antes de qualquer tentativa para não rolar nenhuma briga. A sensação, depois que acontecer, pode ser um pouco estranha. Você pode se sentir traído, pode pensar que seu parceiro vai te deixar para sempre… Mas talvez ele goste mais ainda de você.

Esse lance de relação é muito particular. Tem gente que não encana muito, tem gente que não deixa o namorado nem olhar para o lado. Uns são felizes, outros não. É de vocês dois. Se quiserem, se os dois tiverem vontade, tentem. Só não vale ficar fazendo joguinho do tipo ‘se você quer, eu topo’. Os dois têm que querer. Caso contrário, não deve rolar! Não faça nada por obrigação, mas sim por vontade.

E você, conseguiria ter um relacionamento aberto? Comente aí!

Autor: - Categoria(s): Posts antigos Tags: , , , ,
27/10/2009 - 12:59

O ciclo dos relacionamentos

Compartilhe: Twitter

200261960-001

Todo relacionamento tem um ciclo: você nasce, cresce, se reproduz e morre. Tá, tá, isso é o ciclo de vida humano, mas vai dizer que as relações amorosas são muito diferentes? No máximo, a gente tira o ‘morre’, para aqueles que vivem felizes para sempre e insere um ‘briga’, para aqueles que realmente se amam. Não adianta, quem ama, briga, tem ciúme, faz charme, quer carinho. É assim. Simples assim.

O nascimento
Assmi como acontece com as crianças, quando nasce uma relação, ela é engraçadinha. Os outros chegam e falam ‘que coisa linda’. Os outros chegam e falam ‘que casal fofo’. Vocês estão descobrindo os dedos, a orelha, o próximo, os sentimentos, a fala. Com o tempo e com a ajuda de algumas pessoas, vocês começam a andar. No começo, tudo é novidade. O jeito, as palavras, a família, os amigos, os costumes, as vontades. Esta é a parte boa. Os primeiros seis meses de relação serão, provavelmente, os melhores seis meses da vida de casal. É natural do ser humano querer descobrir, entender e compartilhar. Aproveite este tempo gostoso para viver a vida a dois, namorar bastante, sair, visitar lugares bacanas, conversar e deixar claro as suas vontades. Depois, como toda criança, a gente tem que crescer.

Crescendo!
Crescer, para todos, é difícil. É quando a gente chega na adolescência que começamos a descobrir a sexualidade, começamos a entender melhor como funciona o mundo, como são as pessoas, como é a economia, a política… Ganhamos responsabilidades. Precisamos amadurecer. Nas relações, este período pode levar pequenos dois meses à variados anos. É aquele tempo onde os dois começam a se desentender, onde as vontades parecem não serem mais as mesmas, as brigas se tornam constantes, o ciúme grita, a vontade de ficar junto aumenta. É, realmente, uma fase confusa, bem aquela coisa de adolescente. Estes são, talvez, os momentos que definirão para sempre o que será o seu relacionamento. Se não existir confiança agora, não existirá jamais. Se o amor não for pleno, haverá traições. Se o outro não for sincero, surgirão mentiras. Se os dois lutarem juntos e resolverem, por fim, que devem ficar juntos, terão uma boa vida pela frente.

Se reproduzindo
Claro que a reprodução envolve o sexo e, obviamente, um filho. Como a gente é jovem e ninguém aqui quer ter bebê antes dos 30, vamos encarar de outra forma. A reprodução de um namoro é o momento em que vocês dois começam a fazer planos para uma vida conjunta. Os dois estão crescidos, estão com ideias e ideais formados, querem ficar juntos para valer. É hora de viajar, de conhecer o mundo, de se divertir mais. Hora de conversar bastante para evitar brigas, de entender as vontades e necessidades do outro e tentar suprir. É reproduzir, dentro de você, o outro. É a velha história do ‘dois se tornam um’, que muita gente acha errada, mas que é necessária para qualquer relação. Quando você coloca o outro dentro de você, você começa a desejar o bem, deixa a inveja de lado, fica feliz pelas vitórias. É assim que tem que ser.

A morte
A morte é inevitável. Nós, humanos, ficamos na Terra por um período curtíssimo de tempo. Então porque não aproveitar este tempo da melhor forma possível? Para alguns, o relacionamento precisa morrer. Depois de tentar tudo, finalmente as pessoas entendem que simplesmente não era para ser. Sabe aquele lance de almas gêmeas e tudo mais? Então, vai saber se é real? Tem gente que se completa e nós, meros mortais, precisamos procurar bastante para acharmos quem é esta pessoa. Se não deu certo, a morte é inevitável. É difícil, é dolorida, é perder alguém querido para sempre. Mas é inevitável.

Happpily Ever After
Se um relacionamento não morre, ele tem que ser feliz para sempre. Estão errados aqueles que pensam que, já que um casal está junto por um longo período de tempo, é feliz. Encontramos por aí muitas pessoas que vivem ao lado de alguém, mas são totalmente infelizes por uma série de fatores. Se você está do lado daquela pessoa que te faz sorrir a cada nova manhã, então aproveite o feliz para sempre. O amor é difícil de encontrar, mas quando você acha, não deixe escapar. A sensação é louca, é divina, é maravilhosa. Você já achou?

E aí, concorda com o que eu disse?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , ,
20/10/2009 - 15:25

Gosto de um menino. A minha melhor amiga também. E ele quer as duas. Como faz?

Compartilhe: Twitter

200324949-001

Parece que a adolescência é a época ápice das crises de insegurança e de identidade das garotas. Uma das coisas que mais chegam no meu email são dúvidas relacionadas à garotas que se atraem por meninos, só que suas melhores amigas também acabam gostando dele. Aliás, quem é que nunca ouviu uma história como esta? Quem é que não conhece duas meninas que brigaram por causa de algum garoto? Pois é. Eu conheço. E várias.

O problema da nossa adolescência é exatamente este: insegurança, inveja, constantes crises de identidade. Quando as meninas têm uma melhor amiga, é comum que gostem de compartilhar tudo o que fazem. Compartilham as vontades, conversam, trocam segredos… E aí surgem os garotos. Conforme vocês vão crescendo, a sexualidade nasce, vocês param de achar que os meninos são só um bando de seres idiotas e que fazem brincadeiras sem graças para dar espaço ao desejo, à vontade de beijar, de ficar junto. Claro, o curso da vida é o seguinte: umas crescem mais rápido, outras mais devagar. Com essa evolução tua, é comum que quem ficou para trás por causa do tempo, sinta ciúme. É aí que nasce o interesse mútuo pelo mesmo garoto. As vezes a garota nem gosta realmente de tal menino, ela só fala isso porque, se você gostou – e você é aquela pessoa que compartilha tu-di-nho com ela – ela também tem que gostar. É assim, ponto.

Já nós, meninos, que nunca tivemos muito esse lance de melhores amigos, enquanto vamos crescendo, temos prioridades diferentes. Na verdade, somos forçados à estas coisas diferentes pela sociedade. Com a adolescência chegando, precisamos nos posicionar para nossos amigos. Claro, somos pequenos e não temos muita noção da vida, por isso o ‘precisamos’. Então a gente quer pegar geral. Se percebermos, então, que existem duas meninas (amigas!) dando bola, a gente fica louco. É tudo o que a gente precisa pra encher o peito e passar de garanhão para o resto da escola. Então, é claro, a gente investe. Detalhe: a culpa não é nossa, não. A gente não é sacana e idiota por isso. Quando estamos crescendo, esse posicionamento perante aos que nos cercam é necessária, é a nossa única preocupação na vida, então a gente quer fazer o melhor possível. Não estamos, de fato, nem aí para os outros e o que importa é o que a gente pensa, o que a gente passa. Por isso, é claro, a gente quer as duas. E isso permanece por muito tempo, viu? Até os 18, 19 anos, a gente ainda pensa dessa forma, não valorizamos as mulheres e as usamos só para números. É coisa da cabeça, da criação, da sociedade.

Ok, depois de toda essa aula de psicologia fajuta, vamos ao que interessa: e se isso tudo acontece com você? Bom, não tem muito que fazer, né? Ou é o garoto, ou é a amiga. Daí vai de você. Eu acredito que, se o menino quiser as duas, você deve dar preferência à amiga. Isso porque você é jovem, o garoto também e, muito provavelmente, ele só vai querer curtição. Se você procura algo sério, espere para ficar com alguém que também queira algo assim. E só com você. O problema de escolher a amiga é a decepção que pode surgir. Se ela não for tão legal como você, ela pode acabar escolhendo o menino. Daí, quem se dá mal, é você.

Porque não conversa? Se você e sua amiga combinarem algo, talvez vocês se resolvem sem precisar pensar muito e acabar a relação de vocês com uma possível briga. Não vale a pena, né?

E você, já passou por alguma situação assim, onde sua melhor amiga fica afim do mesmo cara que você? Como você fez para sair desta?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , ,
13/10/2009 - 14:26

Meu namorado é exageradamente perfeito, mas eu não aguento mais. Devo terminar?

Compartilhe: Twitter

200320933-001

“Tenho 17 anos e meu namorado 18, estamos juntos há 5 meses. O problema é: a vida dele gira em torno da minha. Ele parou de falar com as amigas, não sai mais com os amigos, pede minha opinião pra tudo, não faz nada que possa me magoar, muda qualquer plano por minha causa. Quer namorado mais perfeito? O único problema é o seguinte: EU NÃO ESTOU DISPOSTA A LARGAR MINHA VIDA POR ELE! Se eu estou morrendo de sono, eu gostaria muito mesmo de dormir ao invés de ficar até as 5h da manhã no telefone com ele, eu não quero deixar de ouvir a minha banda preferida só porque os caras dela são bonitos e ele tem ciúmes, não quero deixar de falar com os meus amigos por causa dele, não quero matar aulas importantes pra ficar com ele fora da escola…  Mas acontece que eu sinto que vou perdê-lo se não fizer essas coisas, e eu realmente o amo. Não consigo imaginar minha vida sem ele e sinto que vou me arrepender profundamente se eu não me importar e ele terminar comigo. Então acabo fazendo várias dessas coisas, de forma forçada, não natural. Estou fazendo errado? Ou essas coisas seriam coisas básicas de um namoro? É meu primeiro namorado… Me ajuda?”

Essa é a dúvida da Wendy, que chegou via email há alguns dias. Reclamar da perfeição é um problema, hein?

Vamos lá, Wendy. Começo com o discurso de que ninguém é igual. Cada um é criado de uma forma, cada um vive cercado de determinadas pessoas, cada um tem o seu estilo próprio de vida. Com isso tudo, crescemos nesse mundão aprendendo o tempo todo e vamos, aos pouco, formando a nossa identidade, que, a cada dia que passa, se fixa mais. Seu namorado é assim: meloso, chiclete, grudento, fofo. Você é assim: desligada, que curte ter um tempo para você, que gosta de aproveitar o namoro, mas também gosta de limites e de viver a sua vida. Dizem que os opostos se atraem. Você e ele são a prova disso.

Todo relacionamento, Wendy, pede mudanças. Claro, você não vai abandonar o seu estilo de vida para ficar com um garoto. Isso é absolutamente inviável, já que, no futuro, você vai perceber que o fez muito feliz, mas você ficou para trás, infeliz. O que deve acontecer são conversas e posições. Você disse que realmente o ama, então terá que se esforçar um pouquinho para corresponder ao tipo do amor dele. Ele, no entanto, vai ser um pouco mais difícil de mudar. Por quê? Provavelmente ele é um garoto muito inseguro, desconfiado e carente. Ele deve ter os motivos dele para ser assim, não é proposital, não. Sabe o que acontece com tudo isso? Você não pode dar nenhuma mancada com o garoto, porque toda essa insegurança e ‘cobrança’ dele vai piorar. O mundo dos inseguros é complicado. E eu sei bem disso.

Vou contar o que acontece comigo: sou muito inseguro em relação à tudo. Este problema pega desde a minha aparência até a minha capacidade mental. Nunca acho que sou o bastante para a pessoa que estou ao lado. O que eu faço? Tento dar o meu melhor para ela. Tento estar sempre ali, ser um bom ouvinte, tento ser romântico… Até que, um dia, percebi que tudo o que eu estava fazendo, talvez, não era o que a pessoa queria. Na real, ela mais queria sentir o verdadeiro “Caio” do que esse “Caio” fabricado, que não é real. A passos curtos, fui relaxando e acreditando mais no meu potencial, dando, assim, mais liberdade para a pessoa com quem namoro. E ganhando confiança. O relacionamento começou a fluir melhor, começou a ficar mais gostoso, o outro lado começou a se empenhar mais… O problema aqui é: fazer tudo isso sozinho é difícil e confuso, então, no futuro, um surto pode acontecer. Todo o trabalho desenvolvido vai por água abaixo e parece que você voltou à estaca zero. Recomendo a terapia.

Entendeu o que eu quis dizer, Wendy? Seu namorado é o que muitas meninas gostariam de ter – mas elas, provavelmente, o fariam sofrer. Você, que deve ter uma cabeça mais formada e adulta, é quem o tem. Então segure o garoto. Converse, discuta o relacionamento, diga que você precisa de espaço e que ele, principalmente, precisa curtir a vida dele. Cada um tem uma vida e, por mais juntos que estejam, ela precisa, de vez em quando, ser vivida sozinha, não é?

Não desperdice o namoro, não. Invista, aguente, converse, mude. Sempre há solução!

E vocês, já namoraram alguém como o namorado da Wendy? O que poderíamos sugerir para ela? Comente!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , ,
06/10/2009 - 13:36

Quero ficar solteira, mas não consigo terminar o meu namoro

Compartilhe: Twitter

dv1708015

“Olá Caio, tudo bem? Olha só, meu nome é Juliana e tenho 18 anos. Namoro há três. O problema surgiu há pouco, quando comecei a perceber que era nova demais para ficar ‘amarrada’, se é que você me entende. Comecei a ficar com preguiça de sair com meu namorado, não queria mais falar com ele, os assuntos dele já não me importavam mais e eu comecei a me deslumbrar com a vida. A vida de amigas, a vida de baladas, a vida de troca de mensagens na internet. Não sei o que fazer, porque gosto muito do meu namorado, mas acho que a nossa relação esfriou e hoje quero procurar gente nova, conversar com outros meninos, me sentir querida, sabe? O problema é: não consigo terminar com ele. Já tentei de tudo. Cavei brigas, inventei situações, fiquei um tempo sem vê-lo. Não consigo. Fizemos muitos planos juntos e nossas vidas estão ligadas, de certa forma. O que eu faço? Será que eu estou errada, será que essa vontade vai passar? Me ajuda?”.

Olha, Juliana, a situação é complicada. Fato: você começou a namorar muito cedo e prolongou esse namoro por um bom tempo. Ou seja, perdeu quase que a sua adolescência inteira vivendo a vida à dois, coisa que só deve acontecer depois de um tempinho, quando você já tem mais idade. Mas não se preocupe, ainda há tempo. Antes de tudo, a questão é: somos todos diferentes. Tem gente que gosta de ficar solteiro e aproveitar a vida, saindo, beijando várias pessoas, se divertindo dessa forma. Para outros, a diversão é a calmaria da vida com uma só companhia (calmaria no sentido de estabilidade). Muitas vezes, quando ainda adolescentes, nos sentimos inseguros e incapazes, por isso acabamos nos prendendo à alguém que gostamos e começamos um namoro. É uma forma de conseguirmos conforto, colo e, consequentemente, segurança.

Mas os anos passam e, com eles, vem a maturidade. É nessa fase que você começa a perceber que se manteve presa demais e, pelas transformações constantes que a sociedade vive, você acaba refletindo sobre o seu estilo de vida, sobre as suas ações e suas vontades. É natural que quando você começa a se sentir ‘velha’, você avalie a sua vida e o resultado dê negativo e surpreendente: parece que você não viveu. Se levar em conta as atitudes de suas amigas, vai parecer que a sua vida travou há anos e que você não curtiu nada. De certa forma, está certo. Mas antes, vale lembrar do que eu disse lá em cima: cada um vive a vida do jeito que gosta.

Contando toda a história que você e o seu namorado têm, eu acho que seria uma bela de uma sacanagem traí-lo nesse estágio. Se você tem vontade de sair e curtir a vida, ficar com outras pessoas, se divertir dessa forma, meu conselho é: termine. Não há solução para isso. A vontade vai falar mais forte do que você e, em pouco tempo, você vai acabar fazendo alguma besteira que vai se arrepender mais ainda depois. Como você disse, Juliana, você gosta desse garoto, então não quer vê-lo sofrer, não é? O término é duro, mas é mais compreensível do que uma traição.

Outra coisa: tente esperar um tempo. Você, com essa idade, ainda está passando por algumas mudanças, alguns conflitos. Não tome nenhuma decisão sem ter certeza, não ‘esfrie’ o seu namoro e nem o jogue fora. Talvez seja uma fase, um tempo difícil que passará. Amanhã você pode acordar com a maior saudade e vontade do seu namorado. Se a tempestade permanecer, aí sim converse e coloque um ponto final na história.

Não digo, com isso, que é proibido namorar na adolescência. Pelo contrário, os nossos namoros ajudam a formar e estabelecer a nossa personalidade, as nossas ideias e vontades. De vez em quando, no entanto, é bom aproveitar o nosso tempo jovem para curtir um pouco a vida, sem criar laços e preocupações. Caso você não faça isso enquanto jovem, no futuro, vai sentir que perdeu um pedaço da vida e vai querer retomar estas situações. Aí é onde encontramos aqueles adultos que nunca crescem…

Sua situação é complicada, Juliana, e muita gente já passou por isso (e passa). Eu passei e não soube resolver, deixei o tempo passar, até perceber que, de fato, sou uma pessoa de namorar, de ficar em casa, de curtir a vida de outro jeito. São formas variadas de atitude, de gostos e de vontades.

Vamos ajudar a Juliana? O que você faria na situação dela? Você já passou por algo parecido? Comente aí!

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , , ,
29/09/2009 - 13:04

10 coisas que os meninos não gostam nas meninas

Compartilhe: Twitter

iboy

Tá, tudo bem, vocês podem me chamar de machista depois desse post. Vou ser odiado, apedrejado, muitas vão me abandonar. Não me importo. A verdade é nua, crua e dolorida. Leia somente se você realmente estiver a fim. Lembrando: aqui, tudo não passa de uma brincadeira (com aquele fundinho de verdade). Não se ofenda, não fique cabisbaixa. Ainda há chance de melhorar. E aí, o que será que os meninos não gostam nas meninas?

10 – Maria, mas com jeitinho de João.
Mulher é aquilo, né? Tem que ser feminina. Beleza, a gente até gosta de meninas que não ligam muito para a ‘produção’ na hora de sair – isso economiza um tempão, mas também não pode ser desleixada. Meninas, para mim, têm que se comportar como menina. Nada de ter atitudes que destruam a feminilidade, como andar desleixada por aí. Menina tem que estar bonitinha, bem vestida, arrumadinha… Claro que, nesse caso, a dica também serve para os meninos, né? Outra coisa: não é porque os homens têm atitudes idiotas, do tipo sair cuspindo na rua e falando os piores palavrões, que vocês também precisam se portar desta maneira. Somos uma espécie inferior em alguns quesitos, acredite.

9 – Pausa no beijo para arrumar o batom
Tudo – tudo! – que é exagerado, faz mal. Ficar bonita, ok. Se maquiar, ok. Gastar horrores com roupas de marcas, ok. Mas nada, nada nessa vida, é mais chato do que você ter que ficar esperando a menina se produzir. Pior, é muito ruim namorar alguém que é tão complexada com a aparência que interrompe momentos gostosos, como uma conversa entre amigos (ou um beijo) para retocar a maquiagem. A gente entende a necessidade de vocês de quererem estar bonita o tempo todo, mas, né? Cansa um pouco. Meninas muito frescas não agradam e, geralmente, se tornam um belo de um pé no saco.

8 – Bubalooo
A liberdade é um problema para os jovens. Conforme vamos crescendo, vamos ganhando algum espaço com a nossa família, começamos a sair, a se soltar, voltar no outro dia para casa, dormir fora de casa, sair com os amigos… Até que a gente arranja uma namorada. Daí ela tem crises loucas de ciúme porque vamos sair, porque estamos conversando com os amigos, porque estamos passando tempo demais na internet. Ninguém – tanto homens, quanto mulheres – gosta de gente chiclete, gente que gruda, gente que tira a liberdade. Já comentei muito aqui nesse blog como esse ‘cerco’ é chato e como é legal namorar e ter uma vida bacana fora do relacionamento. Se você começar a fechar a vida do garoto, logo, logo ele vai se encher de você e vai acabar caindo fora.

7 – Tudo o que é bonito é para se mostrar
Ok, a gente gosta de ver. A gente ama ver meninas com decotes enormes. A gente adora meninas que se mostram, que exibem o corpo e que usam os menores biquínis do mercado. Até que elas se tornam as nossas namoradas. Assim, eu acho que as meninas devem ser livres para usar o que quiserem, mas, de preferência, abusar na roupa quando estão com a gente, né? Não sou muito de controlar que tipo de decote que a minha namorada deve usar, mas muitos meninos dão um mega valor para isso. Se você encontrar um namorado que limite, tente conversar e mostrar para ele que ‘o que é bom, é para ser mostrado enquanto permanece bom’. O tempo passa para todas…

6 – DR

A gente gosta – sim, a gente gosta mesmo – de discutir o relacionamento. Mas têm horas que a DR enxe o saco e que a gente não aguenta mais sentar e conversar sobre os rumos que a nossa relação está tomando. A vida é muito curta para ficar perdendo tempo discutindo e planejando. Por que não viver o presente?

5 – Saideira

Disse lá em cima que liberdade é bom e tudo mundo gosta. Mas, a partir do momento em que encaramos uma relação, precisamos nos impor limites. Pense, antes de tudo, dessa forma: e se ele saísse sozinho, você gostaria? Não, né. Namoro com essa liberdade é namoro com final certo.

4 – Ciúme com o melhor amigo
Toda menina tem um grande problema: elas usam os seus melhores amigos para fazer ciúme em seus namorados. Vai dizer que você nunca fez isso? Sabe o que essa ação acarreta? Ódio e intrigas entre o seu melhor amigo e o seu namorado. Geralmente, as garotas são muito espertas e, sem que o amigo desconfie, elas acabam usando eles para criar crises de ciúme em seus namorados. Os homens são ciumentos, mulheres, e mexer com isso é sinal de problema. Cada vez que a gente vê vocês andando de mãos dadas com outro garoto, dá uma raiva intera que é inexplicável. O melhor é não tentar fazer isso, não. Não é saudável e, para piorar, você ainda pode acabar tendo que escolher entre ter um amigo ou ter um namorado.

3 – Meninas que não se posicionam

O mais legal em namorar é o fato de que nos tornamos livres para compartilhar. Compartilhar vontades, interesses, ideias, gostos e muitas outras coisas. Quando namoramos alguém, esperamos que essa pessoa agregue algo para a nossa vida. Em muitos casos, algumas meninas, por terem medo de perder o gato, acabam se tornando uma pessoa sem posição, que esperam que o garoto tome atitude e defina rumos para a relação. A gente não gosta disso, não. A gente gosta de mulher com atitude, mulher que toma partido, que mostra vivacidade, sabe? Tente se posicionar na relação, escolher lugares para visitar, coisas para comer. Acredite, detalhes assim fazem a diferença.

2 – Eu mando, você faz
Preciso falar muito? Ninguém gosta de ser subordinado. Imagina em um relacionamento. Mulheres mandonas estão por fora. A gente gosta de menina que sabe que mandar em alguém não leva a nada.

1 – A gente reclama, mas a gente gosta
Apesar de todas essas críticas aí de cima, não poderia deixar de ser clichê e terminar com um “não importa, a gente gosta de meninas”. Os nove tópicos acima são dicas de coisas que alguns meninos não gostam muito em mulheres. Mas é claro que cada relacionamento tem uma particularidade, que deve ser analisada e ver se as posições aí de cima são válidas. Você, antes de qualquer coisa, tem que estar feliz com o seu parceiro. E, é claro, não ficar arranjando problema para a cabeça de vocês. Vivam. Comecem a deixar as besteiras de lado. Com isso, a relação vira algo saudável e duradoura.

Mas e vocês, o que não gostam nos meninos? Hora da vingança! Estarei presente respondendo os comentários 😀

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos Tags: , ,
08/09/2009 - 14:31

Como ser livre na internet sem magoar o seu namorado

Compartilhe: Twitter

Ai, a internet. Internet é mais difícil que homem machista, mais complicada que namorado mandão, mais terrível que gente ciumenta, mais destruidora que a balada, mais… Bom, a internet não presta. Claro, ela é ótima para várias coisas, como ajudar na pesquisa de trabalhos escolares, ajudar na hora de arrumar um emprego e até na hora de fazer novas amizades através das redes sociais. Mas a internet é má. Ela é muito má. E traiçoeira. E viciante. E, claro, ela termina com as relações amorosas.

Usar e abusar da web enquanto você namora é um grande problema. Isso porque aqui é um lugar onde você não tem limites, não possui uma ‘identidade’ real, não possui rédeas. Em um namoro, a internet, assim como várias outras coisas da vida, deve ser podada. Com certeza, esta vai ser uma das coisas que você vai mais ter dificuldade em fazer. Sabe o por quê?

Porque a internet é o seu porto seguro. Aqui você consegue ser o que você quiser, falar com quem quiser e não se comprometer com nada. E é por que você começou a namorar que você terá que desligar o computador e nunca mais ficar online? Claro que não, né. Há formas de você conciliar as duas coisas em sua vida. Você só vai precisar querer muito – e querer de verdade – isso.

Como se comportar? A melhor coisa a fazer é aprender a se controlar. Primeiramente, veja bem quem você irá adicionar nas redes sociais. Evite meninos que você não conhece para não gerar brigas. Tome cuidado, também, com o que você diz por aí. A internet é pequena, todo mundo conhece todo mundo e ninguém deve confiar em ninguém. Quando você menos esperar, tudo o que você fala pode ser usado contra você. De forma boa ou ruim.

Para não criar casos, use a internet com o máximo de moderação que você conseguir. Evite ‘conhecer novas pessoas’ online. No final, raramente elas agregam alguma coisa em sua vida. O seu namorado, com razão, vai ficar com ciúme de tudo o que você fizer. Se você realmente quer que a relação dê certo, aprenda a deixar essas coisas de lado. Claro, ele também precisa fazer o mesmo, né?

E você? Como é sua relação com a internet?

Autor: - Categoria(s): Relacionamentos, Situações Tags: , ,
Voltar ao topo