Publicidade

Publicidade

Arquivo de abril, 2008

29/04/2008 - 08:13

Guia de etiqueta para quando sair de balada com o namorado

Compartilhe: Twitter

“Crééééu, crééééu”. Sair para a balada e levar o namorado na mala é sinônimo de confusão na certa. Os problemas podem ser variados: olhares perdidos, pessoas indesejadas, amigos odiados, xavecos, sensação de insegurança, ciúme etc. e tal. O ideal é, caso você namore, pensar duas vezes antes de ir para a balada. Se tiver que arrastar o namorado, então pense três. É tudo por sua conta em risco, afinal, você pode ter de ir ao banheiro e, quando voltar, vê-lo dançando na velocidade cinco da “Dança do Creu” com qualquer outra mulher, seja lá a fruta que ela quiser ser. E por que não criar um guia de etiqueta para os pombinhos baladeiros?

Para evitar situações chatas, conversem bastante antes de ir e combinem que vocês não irão brigar. Mesmo se estiverem um pouco ‘altinhos’, falem caso alguma coisa os incomodarem. Lembre-se que balada não é o lugar de discutir o relacionamento, vocês estão ali para se divertir, espairecer um pouco e se curtirem melhor, acima de tudo.

Agora, preste bem atenção: você está na balada, lugar de gente arrumada, toda montada, com muita maquiagem pra tirar as espinhas, olheiras e imperfeições e aonde as meninas vão com os melhores decotes e as piores saias. É claro que o seu namorado vai olhar tudo isso! Pensa bem, tem algum problema em olhar as pessoas? Ele não está fazendo mal a ninguém, é só um tremorzinho na atenção. E aposto que você também fica olhando os menininhos de skinny por lá. Não o culpe, olhar não arranca pedaço.

Seguindo, faz de conta que você é superpopular e já ficou com alguns muitos garotos. Daí vai para a festa e todo mundo vem te cumprimentar, seu namorado, sem conhecer ninguém, fica com aquela cara de paisagem e é claro que você vai ter de dar alguma explicação para ele. Conte a verdade. Vai ser bem estranho e ele pode – com todo o direito, né? – se chatear um pouco, mas depois passa. É só você mostrar que aquilo tudo é passado, depois, seu amor é todinho dele.

Só não faz barraco na balada não, tá? Ninguém merece. O ideal é não ficar olhando essas coisas, é ter atitude e fazer algo. Senão depois vocês vão discutir e, nesses casos, só probleminhas passados irão aparecer, já que ninguém vai ter um argumento melhor do que o do outro para definirem a discussão.

Para finalizar, não exagere na dança. Comporte-se, abrace o seu namorado, dê muitos beijos e, antes de ir embora, agradeça a companhia e diz que o ama. Pronto, a balada perfeita.

Já aconteceu alguma coisa muito ruim com você e seu namorado na night? Conta nos comentários!

Autor: - Categoria(s): Posts antigos Tags:
24/04/2008 - 14:05

Depois do perdão, vem a solução?

Compartilhe: Twitter

Trair alguém, em um relacionamento, significa quebrar todos os laços de confiança, carinho e respeito que existem entre as duas pessoas e se envolver com um terceiro. A traição pode acontecer em qualquer relação e, apesar de muito dolorida, ela pode ser o ponto que irá fortalecer ou definir de vez o namoro.

Na visão míope e corriqueira, a traição ocorre quando há algum tremor na base do relacionamento. Ou um dos lados não quer mais ou é só diversão. Quando acontece, o lado traído sempre é o prejudicado pela visão de todos e todos atiram pedras no traidor. De culpa, todo mundo tem um pouco. Quando o ato ocorre, há duas opções: desculpar e limpar de vez os panos do relacionamento, já que ele chegou no seu limite, ou colocar de vez um ponto final.

Para a psicóloga Ana Estela, o fator ‘infidelidade’ está presente em todos os relacionamentos. “A traição pode surgir por insatisfação sexual, pela busca da pessoa ideal, por chateação, vingança, desejo ou simplesmente por carência. Se a balança pesa de um lado, a pessoa vai procurar em outra o que sente falta”, afirma.

Perdoei. E agora?

Quando você perdoa alguém de uma pulada da cerca, além de todo o amor que você sente pela pessoa, uma coisa tem que ficar acima de tudo: confiança. Depois da quebra de vários valores construídos juntos, se você acredita que a pessoa irá mudar por causa do deslize, deve acreditar em tudo o que ela fala e não querer se vingar ou coisa do tipo. Simplesmente coloque em sua cabeça que tudo pode ser diferente.

Thaís, de 22 anos, diz que, depois de traída, ganhou um novo namorado. “Ele foi pra balada sozinho, voltou e ficou estranho, obviamente, desconfiei e forcei a revelação. Até que ele me contou. Eu perdoei e, depois disso, virou um fofo comigo. Nunca mais saiu sozinho e nossa relação melhorou muito. Até onde sei, nunca mais rolou traição. Da parte dele, pelo menos…”.

Já Juliana, também de 22 anos, nem namorar namorava. Ela simplesmente ficava com um carinha e tinham um relacionamento bem aberto. “Por ele ter chegado em mim e contado a verdade, deu pra ver que ele gosta de mim e que eu podia confiar. Foi legal e a gente tinha uma comunicação bem aberta. Pena que acabou, um dia, por qualquer outro motivo”.

Lia, de 18, foi o Judas da questão. Ela traiu e foi descoberta, depois disso, arcou com as conseqüências. “A relação ficou frágil, ele começou a me controlar, ir comigo para todos os lugares, sempre queria saber onde eu estava etc.. E além de tudo, qualquer briguinha virava uma brigona”.

Em três situações diferentes, dá para perceber que cada relacionamento tem um tipo de resolução. Para Thaís, a traição foi boa, pelo menos para ela, já que o garoto se transformou em outro tipo de cara. Dá pra notar, aí, que a pessoa gostava realmente dela. Já para Juliana, que tinha um relacionamento diferente e não tão sério, a traição foi só uma maneira de ganhar confiança na palavra do cara. Lia foi a mais prejudicada, já que, ao que parece, os dois não conseguiram ‘acreditar’ em um novo começo após o tumulto.

E os garotos, aceitam?

Para os meninos, tachados de sem coração e nada sentimentais, a traição pode ter peso no relacionamento também. Rafael não perdoaria de jeito algum. “Se me traiu, é que não está mais feliz comigo. Na hora quebra o encanto e por mais que eu gostasse dela, nunca iria conseguir olhar de novo sem imaginar o cara beijando minha garota”, relata.

Por sermos mais ‘brutos’ e ‘insensíveis’, a traição geralmente é um grande motivo para acabar de vez com o namoro.

Lucas sabia que era traído, mas nunca teve isso exposto de forma oficial. “Eu sabia que ela me traía, mas nunca me contou. Então comecei a trair também, faz bem, só que eu fazia pior. Traia com uma, duas, três…”.

Já para Henrique, a traição foi um baque muito grande, mas, por amor, ele resolveu manter o relacionamento. “Eu respirei, gosto muito dela, então resolvi perdoar. A gente amadureceu, tanto eu, quanto ela. No começo acreditei que era por minha culpa, por eu não ser bonito o bastante e nem corresponder a ela. Depois, vi que os dois erraram muito. Hoje a gente briga de vez em quando, mas melhoramos muito”.

Querendo ou não, quando se perdoa, ambos sofrem muitas mudanças e começam outro tipo de relacionamento. Daí vai depender da força de vontade dos dois para fazer funcionar e não acontecer de novo ou não. Se você for igual ao Lucas, cuidado para não se enganar: isso não lhe faz bem, só mal. Afinal, quem é que gosta amar alguém e ter que ficar com outras pessoas para ‘equivaler’ às atitudes do outro? É uma troca injusta, né?

Agora conta aí nos comentários, você perdoaria? E já perdoou? Se sim, conta aí pra nós o que aconteceu!

Autor: - Categoria(s): Posts antigos Tags:
16/04/2008 - 07:53

Faça seu namoro sobreviver à convivência diária

Compartilhe: Twitter

Namorar alguém com quem se convive muito tempo não é fácil. Apesar de gostarmos de ficar ao lado de quem se gosta, existem alguns lugares que nos limitam e restringem certa aproximação. É o caso de, por exemplo, se você começar a ficar com um colega de classe ou trabalho.

A melhor atitude a se tomar quando você se envolver com alguém que freqüenta os mesmos ambientes que você, seja na escola ou no trabalho, é saber dividir o que é o que. “Amigos, amigos, negócios à parte”, não é assim que todo mundo fala? Pois isso está mais que certo. Não se deve confundir as coisas e você tem que se segurar um pouquinho.

Na escola, utilize o tempo do intervalo para ficar de namorico. Quando o sinal tocar, vocês devem ser meros colegas. Isso porque nenhum professor gosta de ver dois alunos de mãozinhas dadas e dando beijinhos na sala. Com certeza isso é uma grande falta de respeito, não só com o professor, mas com seus colegas e até você mesma, afinal, o que você irá aprender se ficar o tempo todo paparicando o seu garoto?

Na hora de realizar trabalhos em grupo ou em duplas, tente não ficar o tempo todo no mesmo time do namorado. É bem provável que isso cause algumas briguinhas desnecessárias e até se tornar ‘cômodo’ para algum dos dois. Daí um começa a folgar e não realizar as tarefas e o outro se sente obrigado a fazer tudo, afinal, é um namoro, né?

Mesmo no intervalo, você deve se lembrar que está na escola, um local de estudos e por isso não pode abusar da ‘pegação’. Respeito para com os seus colegas, eles não precisam ver certas coisas. Além do mais, podem existir crianças menores do que você ali.

Se o seu caso for namorar alguém do trabalho, tudo o que deve frisar no seu relacionamento é intimidade. Ninguém, absolutamente ninguém, deve saber da sua vida dentro de um ambiente profissional. As pessoas não são tão boazinhas como parecem e na primeira oportunidade vão usar tudo o que sabem sobre você para se sobressaírem. Vale tudo na corrida pelo dinheiro…

Antes de tudo, vale ressaltar que em algumas empresas não é permitido nenhum tipo de relacionamento entre os empregados. Isso pode causar a sua demissão. Mas caso você se apaixone por alguém que senta do outro lado da sua sala, espere o dia acabar para ficar juntinho no cinema ou em casa, sozinhos, sem ninguém para ficar fuxicando sobre a sua vida particular.

Por fim, a dica é aquilo que eu disse acima: aprenda a separar as coisas e leve uma vida de namorados tranqüila.

Você já viveu algum relacionamento no trabalho ou na escola? Conte como foi aí nos comentários.

Autor: - Categoria(s): Posts antigos Tags:
09/04/2008 - 08:17

Virgindade: o que é e o que os homens preferem?

Compartilhe: Twitter

Muito se fala das virgens. Desde a antiguidade, mulher de valor era aquela que se casava sem ter nenhum tipo de relação sexual anteriormente. No século 2 a.C, era um hábito dos romanos mostrar, como prova de pureza da moça, o lençol da noite de núpcias manchado de sangue. Aqui no Brasil, esse hábito durou até o século 19 e dele surgiu uma expressão para se referir às moças mais assanhadas: são “aquelas que não mostram os panos”. Mito ou não, a virgindade continua como sendo um tabu. Mas, primeiramente, o que esse termo significa?

A imagem que temos de uma pessoa virgem é aquela moça que não possui o hímen rompido por relações sexuais. O hímen é uma membrana localizada na entrada da vagina que durante a infância tem a função de proteger a garota contra possíveis infecções, já que a criança não produz hormônios o suficiente para se proteger sozinha. Mas o que acontece quando a mulher tem relações orais ou anais? Ela ainda é virgem por ter o hímen intacto? E nos casos em que o hímen não se rompa durante uma relação sexual em que haja, de fato, penetração, a virgindade prevalece? É estranho basear um “rótulo” de tamanha importância em cima de uma película tão fina, com aproximadamente 3 mm de espessura. Então, a primeira pergunta que eu deixo é: o que é virgindade para você?

Os homens e a primeira vez delas

Muitos garotos afirmam que preferem as mulheres virgens. Para alguns, ser o primeiro da vida de uma garota é uma questão de honra e, além do mais, caso o sexo seja feito com a pessoa amada, saber que você é o primeiro cara da vida da menina gera um peso maior na relação – que, em sonhos, deve ser vitalícia.

Rafael, de 20 anos, afirma que se descobre que uma garota é virgem, ele toma alguns cuidados antes de levá-la para cama. “É a primeira vez dela e muitas meninas têm a vontade de se guardar para o príncipe encantado. Não quero ser o cara que vai estragar a vida dela, levando-a para cama e depois não querer mais nada. Claro que se a mina é virgem, a gente faz tudo com mais carinho e com um toque sutil de romantismo. Acho sim que deve ser perfeito”, afirma o garoto que fez sexo com uma garota virgem e a namora até hoje.

Muitos meninos, no entanto, não têm esse ‘carinho’ todo. “Menina virgem é difícil de achar. Se encontro uma, acho que tenho que fazer sexo logo com ela pra mostrar que é bom e esse lance de se guardar até o casamento é coisa da minha avó”, diz o estudante Vinicius, de 17 anos. Machismo? Pode até ser. O ideal de muitas pessoas é fazer sexo e deixar de lado alguns conceitos que as pessoas tomam pela sua vida inteira. Para outros, a virgindade já não quer dizer mais nada. “Eu nunca liguei pra isso. Acho coisa do passado, de quem tem uma mentalidade mais machista”, relata Daniel.

Com carinho, tudo é mais gostoso

Para muitas meninas, a primeira transa ideal é com o cara que se ama, da maneira mais fofa do mundo e que aquela relação dure para sempre. Uma questão é fato: a primeira vez é lembrada para sempre, não importa o quão bom ou ruim ela foi. Se o cara tratar a pessoa com carinho, a menina vai ter vontade de repetir e querer sempre mais. Se ele maltratar a moça, pode acabar traumatizando-a para sempre. Então é sempre bom tomar certos cuidados na hora da relação, certo?

A preferência não é nacional. Hoje, os homens não fazem mais questão de ter uma mulher virgem nos braços. Alguns até preferem as que já contêm alguma experiência, para aprender junto a elas e compartilhar vontades. Virgindade não é mais uma questão de honra ou pureza. Mas é sempre bom manter ativo alguns sonhos e resguardos…

A segunda (e última) pergunta é: na hora do sexo, é notável a diferença de uma menina virgem e uma não? Qual é a preferida?

Autor: - Categoria(s): Posts antigos Tags:
01/04/2008 - 13:45

Qual é o presente ideal para ele?

Compartilhe: Twitter

Quando namoramos alguém, é comum que conheçamos os gostos da pessoa amada e, por isso, conseguimos presenteá-la com aqueles mimos que é ‘a cara dela’. Fácil assim, né? Não! Na prática, sempre acabamos perdidos tentando escolher o presente ideal. Para facilitar a vida das garotas, aqui vão algumas dicas de presentes que todo menino ia gostar de receber.

Garotas ‘comuns’
Se você quiser presentear o seu namorado com algo que ele goste, mas sem ousar demais, o ideal é que não fuja da calça/camisa/blusa/sapato. Claro que para escolher o item ideal você tem que ter alguma noção dos gostos do menino. Cor, tamanho, estilo, modelo, tudo influencia. E o mais legal de dar roupas é que todo mundo usa e, se não gostar, ainda é possível trocar facilmente.

Garotas “ousadas”
É o aniversário dele e você quer fazer uma baita surpresa? Então arrisque um lingerie (para ele vê-la usar, é claro) ou até um ‘vale-motel’, por que não? Claro que você vai precisar ter um pouco mais de liberdade com o garoto, já que o presente foge do comum.

Se você quer fazer desta data o melhor aniversário da vida do garoto, então crie todo um clima em um local apropriado e se vista como ele nunca viu. A criatividade rola solta…

Garotas “ricas”
Uma casa, um carro, um avião? Ninguém precisa abusar dos presentes para comprar o namorado. Óbvio que quando gostamos da pessoa fazemos de tudo para dar o máximo que a gente consegue e vê-la feliz. Se você tem um pouco mais de grana para gastar com o seu menino, então prepare uma festa surpresa para ele, com certeza ele irá gostar. Se ele se liga em tecnologia, compre um MP3, um computador, um vídeo-game. Nenhum menino vai recusar!

Garotas “fashion”
Para você que é toda descolada e namora um menino cheio de estilo, faça um passeio com ele no shopping e repare os comentários que ele faz sobre as roupas. Se ele adorar alguma coisa, fica bem mais fácil escolher. É só voltar ali no outro dia e comprar.

Caso você queira dar uma empurrada para incentivar o seu namorado a dar um tapa no visual, então vá às lojas e compre tudo o que você gostar. É um risco, mas ele pode se surpreender.

Garotas “românticas”
Jantar a luz de velas, cineminha básico, flores (meninos também podem gostar, acredite), beijinhos, mimos e um passeio no campo. Filme de Hollywood, né? Mas pode acabar se tornando um programa agradável e que surpreenda o garoto. Não custa tentar, certo?

Agora conta aí, você tem dicas de presentes para meninos?

Autor: - Categoria(s): Posts antigos Tags:
Voltar ao topo